COTIDIANO | Fonte: Folha de Pernambuco

Epilepsia, novo desafio à saúde dosmicrocéfalos

Fonte: Folha de Pernambuco

Cinquenta por cento. Esse é o percentual de bebês microcéfalos atendidos pela neurologista Ana van der Linden que começaram a apresentar epilepsia precoce. Os episódios têm começado aos quatro meses de vida. “Eles fazemo que a gente chama espasmos. E esses espasmos se repetem três, cinco, dez vezes. O conjunto deles se chama uma salva. Ou seja, eles podem ter várias salvas por dia”, explica.

Diferentemente das crises conhecidas de epilepsia, nas quais os pacientes caem, ficam arroxeados e com o corpo batendo, nas dos microcéfalos a contração é do corpo todo. Geralmente, segundo a neurologista, dobram o corpo para frente. E quando a crise passa, vem o choro. “As crises desses bebês têmmuita relação com o estadode sonolência, quando se está acordandoou adormecendo”, detalha sobre o padrão observado.

O cérebro dos bebês, acrescenta, têm muitas calcificações. Ou seja, partes que foram destruídas. Nessa área de necrose não se desencadeiam os estímulos neuronais. Contudo, áreas próximas que não foram totalmente destruídas ficam “sofridas” e não têm uma resposta adequada. “A crise epilética é a descarga exagerada desses neurônios, nessa área que está entre a parte necrosada e a parte normal também ficou doente. Isso facilita o desencadear dessas crises.”

Riscos

Essa desregulação, segundo a neurologista, não traz risco de vida imediato.No entanto, aumenta o risco de morte súbita. Ela alertou que durantes as crises o bebê pode se engasgar com a própria saliva ou mesmo sufocar ao se debruçar no berço. Na tentativa de minimizar as crises, a médica tem lançado mão de anticonvulsivantes. Mas os resultados são pouco animadores. As crianças têm apresentado a epilepsia de difícil controle. “As medicações normalmente não têm uma resposta adequada e quando muito reduz o número de crises, mas não controla totalmente. Temos que ir tentando os remédios.”

Confirmação

Quem conhece bem essa realidade é a dona de casa Micaela Souza, 26 anos, mãe de Annika, 7 meses. As crises começaram quando a menina, diagnosticada com microcefalia ao nascer, estava perto dos cinco meses. Ela teve a confirmação da epilepsia depois de um exame de eletroencefalograma. “Annika não tinha essas crises. Começou a ter não sei se pela idade ou por outra coisa. Hoje percebo muitas crises. Qualquer hora do dia. Geralmente émais quando ela está comendo ou querendo pegar no sono”, contou.

Depois de consulta médica e do diagnóstico, Annika começou a tomar anticonvulsivantes. Foram vários remédios, mas sem sucesso. “Esse último, que ela começou a tomar há algumas semanas, deu uma leve melhora na irritabilidade. Mas continua tendo muitas crises.”

Dieta cetogênica

Micaela acredita que se os remédios convencionais não forem eficientes à filha possa iniciar a dieta cetogênica. Ela ouviu outras mães que têm filhos com epilepsia comentarem sobre esse tratamento. “Elas disseram que as crises reduziram”, comenta. O Imip tem, há um ano, um ambulatório específico para atender pacientes que buscam a dieta contra a epilepsia.

A neuropediatra Adélia Souza, que é presidente da Liga Brasileira de Epilepsia e integra a equipe do ambulatório, reforçou que a alimentação que é a base de gordura é uma opção terapêutica para qualquer paciente de epilepsia de difícil controle, seja ele microcéfalo ou não. “É uma dieta balanceada em que se inverte a entrada na energia no cérebro. Ao invés da energia vir da glicose, do carboidrato, como substrato de energia, o cérebro recebe como gordura. É como se estivéssemos enganando o cérebro. Você dá uma dieta rica em gordura e o cérebro entende que o corpo está em jejum, pois ela imita o jejum.”

A médica destaca que a ciência ainda busca mais informações sobre essa alimentação. Mas já é fato que ela tem um componente anti-inflamatório e diminui a irritabilidade do cérebro. Um estudo internacional, de 1998, avaliou 150 crianças submetidas à dieta cetogênica para o tratamento da epilepsia e mostrou controle total das crises em 16%dos pacientes, redução acima de 90% das crises em 32% e, ainda, redução acima de 50% das crises em 56%.

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.