LOCAL | Fonte: Diario de Pernambuco

Morte por gripe acende alerta para imunização

Fonte: Diario de Pernambuco

Uma idosa de 61 anos que vivia em Afogados, na Zona Oeste do Recife, foi a primeira pernambucana a morrer de Síndrome Respiratória Aguda Grave em 2017. O óbito foi provocado pela influenza A(H3N2), subtipo que tem prevalecido entre as notificações neste ano. O caso evidencia a importância da vacinação, cujo Dia D será amanhã, quando os postos de saúde receberão os grupos prioritários das 8h às 17h.

A paciente morreu em 19 abril devido a complicações provocadas pelo vírus. Ela não tinha se vacinado contra influenza nos últimos 12 meses e apresentava obesidade, diabetes e doença cardiovascular crônica como fatores de risco. Os sintomas começaram a aparecer em 10 de abril. A idosa foi internada dois dias depois em uma policlínica no Recife. Em 17 de abril, com o agravamento do quadro e a necessidade de cuidados numa UTI, ela foi transferida para um hospital em Paulista, onde morreu.

De 1º de janeiro a 22 de abril, foram registrados 537 casos da síndrome, que também pode ser gerada pelos vírus A(H1N1) e B. Os números representam aumento de 22% em relação ao mesmo período do ano passado, que teve 439 ocorrências. Em 2017, houve 42 confirmações para A(H3N2) e quatro para influenza B. Em 2016 foram 439 casos de síndrome, com 56 confirmações para A(H1N1) e duas para influenza B. Em relação aos óbitos, em 2016 foram registrados 15 de influenza A(H1N1) e um de influenza A de subtipo ignorado.

A SES afirma que 511.496 pessoas já foram imunizadas desde o início da campanha. O número representa 21,9% do público-alvo de 2,3 milhões. O grupo prioritário é composto por idosos, crianças de seis meses a menos de cinco anos, gestantes, puérperas, indígenas, portadores de doenças crônicas não transmissíveis, detentos, funcionários do sistema prisional, professores e profissionais de saúde.

“Neste ano foi identificado um aumento de casos antes do período esperado. Com a época de chuvas, precisamos ficar ainda mais atentos”, diz a gerente de Prevenção de Doenças Imunopreveníveis da SES, Ana Antunes.

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.