ONLINE | Fonte: Diario de Pernambuco

Ação no metrô lembra Dia de Combate à Sífilis

Fonte: Diario de Pernambuco

O Dia Nacional de Combate à Sífilis, celebrado sábado, está sendo lembrado nesta sexta-feira pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) com uma ação para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce. Das 7h às 9h, em parceria com a CBTU, a SES faz a distribuição de camisinhas masculinas e femininas, gel lubrificante e material informativo na Estação Central de Metrô do Recife, no bairro de São José. Também haverá um vídeo-debate no auditório da SES, das 10h às 11h30.

Até o dia 11 de setembro de 2017, Pernambuco registrou 1.022 casos de sífilis congênita, quando a transmissão ocorre da mãe para o bebê durante a gestação. Em todo o ano de 2016 foram 1.507 casos e em 2015, 1.363. A doença é de fácil diagnóstico e tem tratamento disponível gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS). O ideal seria que toda mulher e seus parceiros sexuais fizessem o teste rápido da doença antes da gravidez. Contudo, diagnosticada durante a gestação, a enfermidade também tem cura, evitando a transmissão para a criança.

A sífilis é uma doença de fácil diagnóstico e com tratamento disponível. Vivenciamos uma epidemia no Brasil e temos notado um aumento no número de casos no nosso Estado. Por isso a necessidade de informar a população sobre o assunto e incentivar o uso de camisinha em todas as relações sexuais, maneira mais eficaz de evitar essa e outras infecções sexualmente transmissíveis , afirma o coordenador do Programa Estadual de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST/Aids), François Figueiroa. Para ele, o aumento dos números também pode refletir a melhora na vigilância dos casos e a ampliação da oferta dos testes rápidos.

Para evitar os casos de sífilis congênita, o coordenador reforça a importância da testagem para sífilis e outras IST, como HIV, antes da gravidez. De acordo como Ministério da Saúde, todas as gestantes devem realizar teste para sífilis na primeira consulta, repetindo o teste no terceiro trimestre (em torno de 28 semanas) e no momento do parto.

Sabemos que as mulheres procuram mais os serviços de saúde. Contudo, seus parceiros sexuais também precisam ser testados e tratados, para evitar o risco de recontaminação , avisa Figueiroa. Ele também ressalta que, diagnosticada a doença, é preciso ter uma boa adesão à medicação. Na falta de tratamento, a criança pode nascer com sequelas, como surdez, cegueira e retardo mental.

Além dos casos de sífilis congênita, a SES também registra as ocorrências em gestantes e no público em geral (adquirida). No caso das gestantes, foram 870 casos em 2015, 953 em 2016 e 835 em 2017 (até 11.09). Em relação à sífilis adquirida, foram 1.319 casos em 2015, 2.657 em 2016 e 1.829 em 2017.

A sífilis é uma doença infectocontagiosa sistêmica, de evolução crônica, causada pelo Treponema pallidum. A doença não tratada progride ao longo de muitos anos, sendo classificada em sífilis primária, secundária, latente recente, latente tardia e terciária. A transmissão pode ser sexual, vertical ou sanguínea. A via predominante é a sexual, entretanto, a mulher portadora da bactéria durante a gestação pode transmitir para o feto durante todo o período gestacional. O resultado da contaminação do feto pode ser o abortamento, óbito fetal e morte neonatal ou o nascimento de crianças com sífilis.

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.

Clippings