FÓRUM DE CIRURGIA | Fonte: Assessoria de Comunicação do CFM

Coordenadores da Residência em cirurgia de PE participam de evento no CFM

Coordenadores do programa de Residência Médica em Cirurgia Geral do Estado- Antônio Cavalcanti, José Guido e Henrique Guido – participaram do II Fórum de Cirurgia Geral, nesta sexta-feira (04/05), na sede do Conselho Federal de Medicina (CFM), em Brasília. O treinamento e capacitação dos cirurgiões gerais e a incidência da Síndrome de Burnout foram os temas debatidos na primeira parte do evento.

Na abertura do evento, o coordenador da Câmara Técnica, Jorge Curi, ressaltou a necessidade de se discutir a formação do cirurgião geral. “Temos de reivindicar melhores condições de trabalho, mas também é nossa responsabilidade lutar por uma melhor formação. Daí porque defendemos três anos de residência médica”, afirmou. Curi ressaltou, ainda, a necessidade de se discutir o conteúdo programático da residência e os parâmetros para que se tenha um cirurgião geral de excelência.

O II Fórum começou com uma mesa redonda sobre Treinamento em Cirurgia. O primeiro palestrante foi o professor emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Delta Madureira, que falou sobre as “Regras e treinamento prático da cirurgia laparoscópica”. No seu início no Brasil, na década de 1990, a cirurgia laparoscópica era ensinada por quatro médicos que dominavam a técnica e não estava presente nas universidades. Hoje em dia, já na graduação o estudante tem acesso à técnica.

Em seguida, o diretor de Defesa Profissional do Colégio Brasileiro de Cirurgiões (CBC), Luiz Carlos Von Bathen, discorreu sobre os “Modelos de Treinamento em Cirurgia”, quando ele defendeu que os programas de residência tenham simuladores. O dirigente da CBC também apresentou a plataforma online do programa de capacitação do Colégio.

Já o diretor no Brasil do Centro de Treinamento em Cirurgia Minimamente Invasiva (IRCAD), Armando Melani, fez uma explanação sobre “Como treinar e capacitar o cirurgião para a cirurgia robótica”. Ele esclareceu que num primeiro momento o médico aprende a manusear a máquina, mas não a realizar o procedimento, que é ensinado numa segunda fase. Ressaltou, ainda, que a capacidade individual do médico vai determinar quanto tempo de curso ele vai fazer. Para Melani, a cirurgia robótica está hoje para a cirurgia laparoscópica como esta estava para a cirurgia tradicional no final dos anos 1990.

O professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Ivan Ceconello defendeu excelência nos programas de residência. “O médico deve sair da residência sabendo como tratar cada doença. A tecnologia deve ser incorporada, claro, mas não é o essencial, até porque teremos de nos aperfeiçoar tecnologicamente sempre”, afirmou. O professor defendeu o ensino e a prática da cirurgia aberta. “Primeiro porque o país tem déficit de equipamentos e também porque o cirurgião deve saber nas intercorrências”, enfatizou.

Adoecimento médico – O debate seguinte tratou da Síndrome de Burnout entre os médicos. O representante da Associação Médica Brasileira (AMB), Florentino Cardoso, falou sobre campanha da entidade para combater o suicídio entre os médicos. Após apresentar números sobre o adoecimento dos médicos, Cardoso enfatizou que esse é um problema a ser enfrentado, “para que possamos evitar grandes tragédias, como a morte evitáveis de colegas que tiram suas próprias vidas”.

Na sua palestra sobre Síndrome de Burnout, o coordenador da Câmara Técnica de Cirurgia Geral, Jorge Curi, enfatizou a necessidade de grupos de apoio nos centros de ensino para ajudar estudantes que apresentem dificuldades. “O estudante de medicina e o residente sofrem hoje muitas pressões, que levam a privações de sono e falta de concentração. Temos de estar preparados para dar apoio a essas pessoas e, no caso da cirurgia geral, até orientá-las a mudar de curso, caso essa opção seja fonte de sofrimento”, defendeu.

O II Fórum de Cirurgia Geral continua hoje à tarde, com debates sobre os três anos na Residência Médica. Assista aqui.

Tags :
1 comment
    • Henrique Guido 5 de Maio de 2018 - Reply

      Agradecemos o apoio do Cremepe e Comissão estadual de residência médica pela oportunidade de participar desse evento que é um marco nas discussões das diretrizes da residência médica em cirurgia geral .Vários temas de relevância foram abordados e fica a certeza que melhoraremos a formação e qualificação dos nossos residentes de cirurgia geral.

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.

Clippings