ITAMARATY | Fonte: Assessoria de Comunicação do CFM

Campanha Crianças Desaparecidas: Comissão de Ações Sociais do CFM leva pleitos ao ministro de...

Fonte: Assessoria de Comunicação do CFM

Campanha Crianças Desaparecidas: Comissão de Ações Sociais do CFM leva pleitos ao ministro de Estado das Relações Exteriores

Representantes do Conselho Federal de Medicina (CFM) solicitaram a intervenção do Ministério das Relações Exteriores em ações de combate ao desaparecimento de crianças e adolescentes, especialmente no apoio à organização de uma conferência mundial sobre o tema. O assunto foi tema de reunião nesta segunda-feira (13), em Brasília, entre o ministro de Estado das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, o secretário-geral do CFM, Henrique Batista e Silva, e o membro da Comissão de Assuntos Sociais da autarquia, Ricardo Paiva.

Aloysio Nunes ouviu atentamente os argumentos apresentados pelos representantes do CFM. Durante a conversa, Henrique Batista e Silva explicou que o Conselho tem feito gestões na área por entender que o médico é um agente político de transformação social. “O CFM, que tem em suas prerrogativas legais defender a Medicina e a Sociedade, tem se voltado com muito afinco com este tema. Buscamos todas as forças institucionais e parcerias para que encaminhe uma solução para este problema social”.

Já Ricardo Paiva chamou atenção para a estimativa de 50 mil desaparecimentos de crianças e adolescentes por ano no país, além da estimativa de quase 40 milhões de crianças desaparecidas no mundo, parte delas traficadas para trabalho escravo contemporâneo e prostituição infantil. Os dois representantes do CFM defenderam ações no âmbito internacional como a realização de uma Conferência Mundial sobre Crianças e Adolescentes Desaparecidos capitaneada pela Organização das Nações Unidas (ONU).

“O Brasil tem um papel de protagonismo na luta pelos direitos humanos, e por essa razão poderia sugerir esse debate ampliado na ONU. Essa conferência proporcionaria a obtenção de um relatório bianual para a construção de possíveis ações de enfrentamento. Com essa organização fechada, conseguiríamos também firmar um protocolo para a atualização e padronização dos Cadastros Nacionais de Crianças e Adolescentes Desaparecidos, que dialoguem entre si por um único software, conforme os moldes da Interpol”, defendeu Paiva.

Ao final do encontro, o ministro elogiou a ação do CFM e garantiu que a temática será estudada pelo órgão. “Nossa assessoria internacional vai desdobrar esse tema aqui no Ministério das Relações Exteriores. Vamos estudar a maneira mais prática para intercambiar os dados de desaparecidos”, concluiu.

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.

Clippings