Foz do Iguaçu discute câncer infantil: cerca de 12.500 novos casos da doença são esperados para...

Foz do Iguaçu discute câncer infantil: cerca de 12.500 novos casos da doença são esperados para o País em 2018

Novas estimativas projetam quase 30 mil novos diagnósticos de câncer em crianças e adolescentes brasileiros em 2040

Teve início nesta quarta-feira (3) e segue até sexta-feira (5), na cidade de Foz do Iguaçu (PR), o XVI Congresso de Oncologia Pediátrica. O evento é organizado pela Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (Sobope), e reúne especialistas nacionais e internacionais para discutir o câncer infantil. De acordo com estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA), no Brasil são esperados 12.500 novos casos de câncer em crianças e adolescentes em 2018, mesmo montante que deve se repetir para o próximo ano.

São esperados mais de mil congressistas, entre médicos e outros profissionais da saúde que compõem o que na medicina é conhecida como equipe multidisciplinar. A ideia é reunir diversas frentes, da enfermagem à psicologia, passando por fisioterapeutas, pedagogos e até terapeutas ocupacionais, para potencializar as chances de cura da doença no Brasil.

É o que explica a médica oncologista e presidente do XVI Congresso Brasileiro de Oncologia Pediátrica, Carmem Fiori: “Os índices de sobrevida do câncer infantojuvenil ainda estão abaixo do esperado. Enquanto em países mais desenvolvidos essa chance de cura pode chegar a 75 ou 80% dos pacientes, aqui no Brasil seguimos com taxas de 50% a 60% de cura”.

Essas estatísticas fazem do câncer a segunda principal causa de morte de crianças e adolescentes brasileiros, também de acordo com o INCA. Os óbitos decorrentes de neoplasias ficam atrás apenas das mortes causadas por fatores externos, como acidentes e violência. Este é um cenário extremamente preocupante, sobretudo à luz das projeções de aumentos dos casos de câncer no mundo.

Novos dados do câncer – Pela primeira vez em seis anos, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), instituição filiada à Organização Mundial de Saúde, atualizou as estimativas da doença no mundo. Os números compõem o Observatório Global de Câncer e traçam um paralelo do nosso momento atual, trazendo ainda uma projeção de crescimento do câncer até 2040.

Segundo os novos dados, a incidência mundial do câncer deve aumentar em 63% nos próximos 20 anos, algo que certamente trará reflexos no Brasil. Em terras tupiniquins os 559 mil casos anuais em 2018 devem saltar para 998 mil em 2040, aumentando 78%.

Quando transportamos esses números para o câncer infantil, chegamos ao montante de 29.940 diagnósticos de crianças e adolescentes em 2040, isso porque o próprio INCA utiliza a metodologia de projetar que as neoplasias nessa população correspondam a 3% do total de casos de câncer esperados no ano.

Lutando com informação  – Nesse cenário assustador, a luta contra o câncer na infância e adolescência tem com uma das principais armas a informação. “De maneira geral, o câncer infanto-juvenil possui um melhor prognóstico do que as neoplasias que acometem a população adulta. Essa chance de cura maior, entretanto, está intrinsicamente ligada a um diagnóstico e início de tratamento precoces”, conta a Dra. Carmem Fiori.
Como o câncer infantil possui o que os médicos chamam de inespecíficos, facilmente confundíveis com sinais de outras doenças menos séries e relacionadas ao processo de crescimento, a informação se torna ainda mais importante. “Tanto os pais quanto outros familiares e os profissionais da saúde devem estar atentos e familiarizados com os sinais de alerta. Só assim, e com o apoio do Governo fornecendo acesso às terapias mais modernas e adequadas, conseguiremos melhorar o cenário”, pontua a presidente do XVI Congresso de Oncologia Pediátrica.

Entre esses sintomas inespecíficos estão: febre, ínguas, dor nos membros, dor na barriga, manchas roxas inexplicáveis, palidez e emagrecimento. “Como diversas condições comuns da infância possuem essas mesmas manifestações, é muito importante ter um pediatra de confiança, que acompanhe a criança e perceba quando o quadro não está dentro do esperado”, finaliza a médica.

Serviço:
XVI Congresso Brasileiro de Oncologia Pediátrica (SOBOPE 2018)
Organização: Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (Sobope)
Data: 3 a 5 de outubro
Local: Centro de Convenções Recanto Cataratas – Av. Costa e Silva, 3500 – Parque Pres. 1, Foz do Iguaçu – PR
Informações: www.sobope2018.com.br

Fonte: Sobope

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.

Clippings