ÚLTIMAS | Fonte: Folha de Pernambuco

Natalidade volta a crescer no Estado

A natalidade de Pernambuco voltou a crescer. O número de nascidos vivos subiu cerca de 4% em 2017, após uma redução de quase 10% entre 2015 e 2016, período de explosão dos casos de microcefalia decorrentes do zika vírus na gestação. Há quatro anos, foram 145 mil nascidos vivos. Já em 2016,130,7 mil bebês nasceram, contra 135,9 mil em 2017. Pesquisadores da UFPE haviam indicado, em estudo, que a retração nos nascimentos seria reflexo do temor e da desinformação sobre os riscos do zika na gestação.”Já reduziu bastante 0 temor

das mulheres em relação à gestação, mas não quer dizer que 0 temor do zlka ainda não exista”, ponderou a ginecologista e obstetra Luiza Bezerra. Para ela, 0 planejamento da gravidez, como a realização de sorologias e a escolha do momento oportuno, trouxe segurança às mulheres. A reprodução assistida, que também sofreu impactos durante a epidemia de zika, retomou 0 crescimento. Em 2016, foram feitos no Estado 1.535 transferências de embriões. Um ano depois os procedimentos subiram para 2.569.

O balanço é do Sistema Nacional de Produção de Embriões (SisEm-brio),ligado à Agência Nacional de

Vigilância Sanitária (Anvisa). “Os anos de 2017 e 2018 voltaram ao normal para a reprodução assistida. Seguimos as orientações da ASRM (Associação Americana de Medicina Reprodutiva) e da Anvi-sa quanto a realizar as sorologias (para zika, Chikungunya e dengue) antes das transferências”, comentou a especialista em reprodução Madalena Caldas, sobre os novos ritos adotados para a segurança das pacientes.

A mortalidade geral dos pernambucanos também apresentou comportamento fora do padrão nos últimos anos. Neste caso, a suspeita recaiu sobre a Chikungunya, que teve 0 ápice da epidemia entre 0 final de 2015 e inicio de

2016. Segundo dados do Sistema de Informações Sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, entre um ano e outro houve um aumento de 6,9% nos óbitos. Em

2017, as mortes declinaram 3,88%. A Folha de Pernambuco levantou as primeiras suspeitas sobre a elevação de mortes gerais no Estado no inicio de 2016, principalmente de idosos moradores de cidades com surto de Chikungunya. Naquele ano, quase 67 mil pernambucanos faleceram, de forma global.

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.