ECONOMIA | Fonte: JORNAL DO COMMERCIO

Remédio varia mais de 500%

Fonte: JORNAL DO COMMERCIO

FISCALIZAÇÃO Um mesmo medicamento pode ser encontrado com preços entre R$ 4,33 e R$ 86,98 em farmácias do Recife, aponta o Procon

O Procon-PE divulgou ontem o resultado da pesquisa de preços de medicamentos realizada em 27 farmácias do Recife e Goiana (Região Metropolitana do Recife). Foram pesquisados medicamentos de grande procura como os de controle da hipertensão, diabetes, rinite alérgica, analgésicos, anti-helmíntico, anti-inflamatório, bronco dilatador e antibióticos.

Segundo o Procon, de um estabelecimento para outro, os medicamentos genéricos podem ter uma diferença de até 326%. Quando a comparação é entre o preço do medicamento de marca e o genérico, a diferença é mais extrema. O remédio Captopril, usado no controle da pressão arterial, foi encontrado na capital pernambucana por R$ 86,98, o de marca. Já o genérico dele custa entre R$ 4,33 e R$ 33,01. No Recife, foram pesquisadas 12 farmácias.

Já em Goiana, os fiscais passaram por 15 estabelecimentos. Lá, a maior diferença foi no medicamento Melato Enalapril, também pra controle da pressão arterial. O de marca pode ser encontrado entre R$ 5,49 e R$ 35,70. O genérico tem preços entre R$ 3,15 e R$ 9, uma variação de 550,27%.

A lista com os 38 medicamentos pesquisados pode ser solicitada através do e-mail: imprensaproconpe@gmail.com.

FISCALIZAÇÃO

O Procon iniciou hoje também uma fiscalização em farmácias da Zona Norte do Recife, desta vez para apurar irregularidades. Três estabelecimentos foram visitados no bairro do Espinheiro.

Os fiscais observaram se os remédios expostos traziam os preços visíveis. E ainda a validade de medicamentos e de outros produtos oferecidos no local. Em uma das farmácias, foram encontrados refrigerantes à venda fora da data de validade. O material foi descartado.

Os fiscais também apuraram a denúncia de que algumas farmácias estão obrigando os clientes a informarem o número do CPF no momento do pagamento das compras. “A decisão de fornecer ou não o CPF é do cliente, não pode ser obrigatório”, afirma Danyelle Sena, gerente de fiscalização do Procon-PE.
A fiscalização nas farmácias do Recife continua nesta quarta-feira (27) em local não divulgado.

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.

Clippings