CASA SAUDÁVEL | Fonte: Jornal do Commercio

Microcefalia: a hora da inclusão escolar

Fonte: Jornal do Commercio

Já se passaram quase quatro anos desde que anunciamos, em primeira mão, a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia, que se tornou a malformação congênita mais associada ao zika. Atualmente, aliada à rotina intensa das terapias e consultas médicas, algumas das crianças vivenciam a educação infantil; outras ainda estão fora da escola. É hora, então, de especialistas voltarem os olhos para as necessidades dessas crianças nos cenários educacionais, com base no direito da pessoa com deficiência de ir à escola, participar, interagir e se desenvolver.

No Recife, uma pesquisa foi iniciada para estudar a microcefalia (decorrente do surto de zika) na inclusão escolar. O estudo vem da Fundação Volkswagen e a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), que firmaram acordo para o financiamento do estudo. “Investigaremos as competências socioemocionais de educadores de creche e instituições de educação infantil para lidarem com crianças com deficiências, com foco na síndrome congênita do zika. Vamos apresentar dados sobre o que pensam profissionais de saúde, que atuaram no epicentro da epidemia, e de educação sobre conteúdos e técnicas que poderiam ser trabalhados numa futura formação sobre educação inclusiva”, diz a professora do Departamento de Psicologia da UFPE, Sílvia Maciel, que conduz a pesquisa. Para a construção do trabalho, especialistas em educação serão ouvidos e, segundo Sílvia, poderão apontar estratégias valiosas para a formação e atuação de profissionais que trabalham em creches e escolas. “Dessa maneira, podemos articular saúde e educação para construirmos uma ponte entre os conhecimentos desses dois campos, com a perspectiva de criarmos ações em prol da inclusão na educação infantil”, acrescenta.

Aos 3 meses de vida, a pequena Giovanna (na foto, ao canto esquerdo), hoje com 3 anos e meio, teve o diagnóstico de microcefalia associado ao zika. Desde então, faz atividades de reabilitação, recebe estímulos em casa e, há 15 dias, voltou a frequentar uma instituição de educação infantil. “Ela começou a estudar em abril de 2018 e, meses depois, precisamos ir para uma nova residência. Com a mudança, começamos a procurar outra creche em novembro e só conseguimos vaga no mês passado. É uma atividade importante para estimular o desenvolvimento e a interação com outras crianças”, conta a mãe de Giovanna, a dona de casa Germanny Gracy Maia, 29 anos.

Na Fenearte 1

A União de Mães de Anjos (UMA), que acolhe mais de 400 famílias das crianças afetadas pelo zika em Pernambuco, está com um estande na 20ª Fenearte, que vai até 14/7 no Centro de Convenções de PE, em Olinda. No espaço, no corredor 21, a associação vende produtos para arrecadar fundos que serão destinados a atendimentos de reabilitação e manutenção da sede, no Barro, Zona Oeste do Recife. A UMA também atua em 14 pontos de apoio no Estado. Informações: 3019-6396 e 98748-9065 (WhatsApp).

Cursos de extensão sobre saúde

A Faculdade Frassinetti do Recife (Fafire), no bairro da Boa Vista, no Centro do Recife, está com inscrições abertas para uma série de cursos de extensão, abertos ao público em geral, neste mês de julho. São 33 opções na área de saúde, com opções de 9h, 12h, 16h e 24h/aula. Entre os temas, estão nutrição em cirurgia bariátrica, anorexia na adolescência, sofrimento psíquico na primeira infância, especificidade da prática clínica do psicólogo no hospital, psicologia online, ansiedade, amor e devastação nas relações amorosas femininas. As inscrições devem ser feitas até 48 horas antes do início das aulas (ou até o encerramento das vagas). Será conferido certificado. O investimento, que depende da carga horária de cada curso, varia de R$ 75 a R$ 200. Programação neste link: bit.ly/2LFjklR. Outras informações: 2122-3556 e fafire.br.

Odontologia

O Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) volta a contar com um serviço específico para cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial, com atendimentos às quartas-feiras, das 13h às 16h, no 6º andar do hospital, e cirurgias agendadas às sextas à tarde no bloco cirúrgico. O ambulatório engloba avaliação, diagnóstico e tratamento de deformidades faciais e patologias do complexo maxilomandibular, assim como cirurgias de média e alta complexidade, como exodontias e cirurgias ortognáticas. De acordo com o chefe do serviço e professor da UFPE, Gilberto Cunha, o ambulatório receberá pacientes por demanda espontânea (de primeira consulta, que receberem encaminhamento de um dentista do Sistema Único de Saúde ou particular). O ambulatório também tem vai atuar em comunhão com outros serviços de saúde existentes na unidade e trazer projetos de extensão do Departamento de Anatomia do curso de odontologia da UFPE para o hospital. A equipe do serviço ainda conta com os professores Leonardo Cavalcanti e Martinho Dinoá Medeiros Júnior, também especialistas em cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial.

Alimentação

A criança não quer comer? Essa é uma das p erguntas em pauta no projeto Meu filho não , do pediatra Reginaldo Freire. A iniciativa começa com bate-papo sobre formação dos hábitos alimentares. O encontro acontece, na sala iMax do Shopping Recife, dia 28/7, às 8h30, e contará com a participação da fonoaudióloga Aline Padovani, autora do livro Tá na hora do papá. Venda dos ingressos promocionais, até hoje, pelo Sympla: R$ 47. A partir de amanhã, R$ 97 (inteira) e R$ 48,50 (meia). Inscrições no link: bit.ly/2XEQEja.

Na Fenearte 2

A prática de atividades culturais se transforma em ação terapêutica para as pacientes com transtornos psiquiátricos acompanhadas no Hospital Colônia Alcides Codeceira, em Igarassu, no Grande Recife. Parte desse trabalho pode ser visto, até 14/7, durante a 20º edição da Fenearte, em Olinda. No local, estão expostas 40 peças de tapeçaria de retalhos de malha, feitas à mão por três pacientes da unidade de saúde, além de chaveiros e acessórios para cabelo. O estande está na Rua 21 da feira, e as peças variam entre R$ 50 e R$ 70.

Em movimento

Com a proposta de não deixar as crianças paradas nas férias, a colônia de férias da Bodytech Shopping Recife, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife, oferece atividades recreativas e esportivas, aquáticas neste mês de julho. A programação, das 13h30 às 17h, foi desenvolvida para crianças de 3 a 8 anos. Entre os destaques, estão a oficina de inglês e a tarde de príncipes e princesas. Os pais não precisam ficar na Bodytech durante as atividades. Há monitores que fazem esse acompanhamento e são separados por grupos: 3 a 5 anos (um profissional para cada oito crianças) e 6 a 8 anos (um para cada dez crianças). Valores: diária por R$ 50 (aluno) e R$ 100 (não aluno). Informações: 3467-2727.

Mindfulness

Para as crianças, o Espaço Evolute, nos Aflitos, Zona Norte do Recife, promove oficina de mindfulness, que mescla técnicas de meditação e respiração – prática também chamada de atenção plena. A atividade, feita de forma leve e divertida, ajuda a reduzir a ansiedade, aprimora as habilidades sociais e emocionais, melhora a qualidade do sono e a criatividade. A oficina, que será nesta quinta (11), conta com duas turmas: 4 a 6 anos (13h às 15h) e 7 a 12 anos (16h às 18h). A prática será comandada pela educadora e instrutora de mindfulness Eduarda Morais. Valor: R$ 100. Informações: 3071-6449 e 99452-9724 (WhatsApp). Leia reportagem sobre mindfulness mais no Casa Saudável: bit.ly/2LwQa8h.

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.

Clippings