COTIDIANO | Fonte: Folha de S. Paulo

Médicos de áreas violentas relatam impacto de crimes na saúde

Fonte: Folha de S. Paulo

Considerada pela OMS (Organização Mundial de Saúde) um dos maiores problemas de saúde pública, a violência e seus impactos no adoecimento e morte ainda não fazem parte da formação e treinamento da maioria dos profissionais de saúde.

Um estudo da CIMF (Confederação Ibero-americana de Medicina de Família) mostra que 91,3% dos profissionais de saúde entrevistados no Brasil e em outros 17 países da América Latina consideram que não têm treinamento suficiente ou adequado para lidar com situações de violência.

Ao mesmo tempo, 75% classificam como elevada a percepção da violência em seu ambiente de trabalho, como as unidades básicas de saúde. Violência de gênero foi a mais citada (67%), com ênfase a contra mulher (72,7%), e a população LGBTI (45%).

“A violência está na base de muitos processos de adoecimento, por isso é necessário incrementar a performance da medicina de família e da atenção básica”, diz médica de família Maria Inez Padula Anderson, professora da Uerj (Universidade do Estado do Ido de Janeiro) e uma das autoras do estudo.

O tema foi discutido durante congresso de medicina de família e comunidade que ocorreu em Cuiabá (MT). Com auditório lotado, vários profissionais se emocionaram ao relatar as situações de violência às quais seus pacientes (e muitas vezes eles próprios) são submetidos diariamente.

Por atuarem na atenção primária, porta de entrada do SUSmédicos e médicas de família colecionam inúmeras histórias de doenças relacionadas à violência.

São casos de mães que morrem de tristeza após o assassinato de filhos, mulheres vítimas de violência doméstica com depressão ou ainda as que sofrem estupros e que tentam o suicídio.

Também são comuns relatos de pacientes com crises de hipertensão e de ansiedade após tiroteios em comunidades ou mesmo profissionais que não conseguem trabalhar nesses momentos de tensão.

Nos primeiros cinco meses deste ano, por exemplo, uma unidade de saúde no morro da Formiga, no Ido de Janeiro, foi fechada dez vezes em razão de tiroteios.

“No dia seguinte, a unidade explode de atendimentos, picos hipertensivos, crises de choro. Temos só duas equipes que chegam a fazer cem atendimentos diários”, disse um médico de família que atua na comunidade.

A médica Helena Fernandes Ferraz já vivenciou situações semelhantes na comunidade do Salgueiro, também no Rio. “O número de pessoas com pressão alta, descompensação de insuficiência cardíaca, edema agudo de pulmão, aumenta muito após os conflitos. Muitos pacientes já reconhecem como essas situações afetam a sua saúde.” Nesse contexto, segundo ela, é impossível cuidar apenas do paciente individualmente. “A gente é médico de família e comunidade. Se não cuidamos do nosso território, não buscamos caminhos para lidar com a violência, não conseguimos cuidar do indivíduo.” Ferraz cita o exemplo da violência doméstica. “Ao mesmo tempo em que a gente acolhe a mulher e a aconselha a denunciar o agressor à polícia, também cuidamos do agressor, já que muitas vezes ele é morador na mesma comunidade e nosso paciente.”

Essa proximidade, aliás, é uma das razões que levam muitos médicos a hesitarem a notificar casos de violência contra mulheres e crianças, porque temem que seus nomes cheguem ao agressor.

Para Anderson, da Uerj, o agressor deve ser o primeiro a ser comunicado que está cometendo uma violência. “Muitas vezes essas pessoas nem reconhecem a violência.”

Um dos caminhos proposto pela medicina de família e comunidade para lidar com a violência é trabalhar a cultura da paz.

Helena Ferraz conta, por exemplo, que era comum os pais baterem nos filhos enquanto esperavam atendimento médico na unidade de saúde em que trabalhava.

Surgiu então a ideia de formar grupos para dar voz a esses pais que, invariavelmente, têm uma vida marcada pela violência e acabam reproduzindo-a com os filhos.

“Muitas vezes, só o espaço de escuta e a acolhida não são suficientes para dirimir as dores da vida que desembocam na violência”, afirma a médica.

O adoecimento também é atribuído à violência estrutural, definida como qualquer cenário em que uma estrutura social perpetua desigualdade, causando sofrimento evitável.

Emocionada, Rosane, uma médica de família de Belo Horizonte, que trabalha na cracolândia da capital mineira, relatou o caso de uma idosa com constipação intestinal crônica que não conseguia adotar uma alimentação com mais fibras recomendada por ela.

“Fia, eu sustento minha filha e quatro netos com salário mínimo. Laranja lá em casa é só no dia do pagamento. Depois é só arroz e feijão mesmo e olhe lá”, relatou a médica com a voz embargada.

Também contou o caso de uma criança diabética tipo 1 cuja mãe não tem condições de comprar produtos diet e sofre com o agravamento da doença do filho. “Como não adoecer diante de tanta miséria e tanta dor? O que a gente faz com essa sensação de impotência?”, perguntou Rosane. Na platéia, muitos colegas enxugaram as lágrimas. CC

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.

Clippings