BRASIL | Fonte: Diario de Pernambuco

Anvisa suspende venda de silicone após recall

Fonte: Diario de Pernambuco

Após o anúncio do recall de próteses de silicone da marca Allergan, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou no Diário Oficial da União desta sexta-feira uma medida cautelar suspendendo a comercialização dos implantes da marca no Brasil. Eram vendidos três produtos da empresa no país.

Na quarta-feira, a Allergan, uma das marcas mais difundidas no mundo, anunciou recall de próteses mamárias depois de alerta da Food and Drug Administration (FDA), agência de controle sanitário dos Estados Unidos, de que os implantes podem estar relacionados a um tipo específico de linfoma.

Os Estados Unidos calculam que a incidência do linfoma anaplásico de células grandes (ALCL) associado a próteses de silicone esteja entre um caso a cada 3,8 mil e uma ocorrência a cada 30 mil. Segundo o FDA, foram 573 relatos de linfoma ligados a próteses e há registro de 33 mortes.  Segundo a Anvisa, a medida publicada nesta sexta-feira é uma atuação de fiscalização “resultante das ações de recolhimento voluntário iniciadas pela empresa detentora de registro”. A agência brasileira chegou a suspender alguns produtos da marca no ano passado, mas recuou neste ano. A França já havia proibido próteses da Allergan e de outras marcas por risco de ALCL.

No Brasil, não há dados consolidados sobre o número de pessoas que tiveram ALCL decorrente de próteses. Mas especialistas ouvidos pelo Estado calculam que o país teve pelo menos uma dezena de casos de ALCL em pacientes com próteses. Como os registros são informais, nem todos têm evidências científicas de que foram os implantes que desencadearam a doença.

Esse número, porém, pode ser maior já, que o Brasil é um dos que mais colocam próteses no mundo. Por isso, médicos criaram uma força-tarefa a fim de mapear os registros e entender o tamanho do problema. “Temos poucos casos catalogados e essa é uma das razões para criar uma força-tarefa. Queremos respostas adequadas o que não temos ainda”, afirma Niveo Steffen, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.