VIDA URBANA | Fonte: DIARIO DE PERNAMBUCO

ARBOVIROSES – Treinamento da Nasa para enfrentar o Aedes aegypti

Fonte: DIARIO DE PERNAMBUCO

Perguntar, coletar, observar e investigar. As ações associadas aos cientistas podem e devem fazer parte da rotina dos estudantes desde os primeiros anos da vida escolar. Para disseminar conceitos científicos e estimular a pesquisa na rede estadual de ensino, a Agência Espacial Brasileira (AEB) realizou no Recife, ontem, o programa de educação ambiental Globe-Nasa, em cooperação técnica com a Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço dos Estados Unidos. Um grupo de 32 professores de escolas públicas – 20 do ensino médio e 12 do fundamental, participaram da formação.

Com o tema Envolvendo cidadãos no prognóstico e na observação de doenças transmitidas por mosquitos, o workshop ministrado pela professora Inês Mauad mostrou como identificar larvas. Os participantes também foram a campo coletar amostras e identificar possíveis criadouros do Aedes aegypti, utilizando o aplicativo Globe Observer, resultado de um programa criado em 1995 pela Nasa e formado atualmente por 34 mil escolas de 120 países. Cerca de 165 milhões de dados estão no Globe e podem ser usados por pesquisadores e estudantes de todo o mundo.

Docente de química do ensino médio na Escola Professor Leal de Barros, no Engenho do Meio, Zona Oeste do Recife, Moisés Mendonça recebeu a formação e garantiu que vai usar em sala de aula as técnicas aprendidas. “Faço armadilhas para mosquitos com garrafas PET desde 2006. Agora, com essa orientação mais concreta, vou incentivar ainda mais a pesquisa. Os alunos se sentirão mais estimulados ao saber que estarão fazendo parte de uma pesquisa internacional”, afirmou. A Escola de Referência em Ensino Médio Álvaro Lins, em Nova Descoberta, também já realiza trabalho de combate ao mosquito com o uso de armadilhas elaboradas com garrafas e tule.

No workshop, após as atividades de coleta, os professores analisaram as amostras no microscópio e aprenderam a identificar as larvas do mosquito transmissor de doenças como dengue, zika e chikungunya. O grupo também recebeu orientações sobre o processo de inserção de dados ambientais na plataforma online do Globe e discutiu os projetos que envolvem as comunidades nos protocolos de atmosfera e uso do aplicativo em iniciativas que buscam impedir a proliferação do mosquito e das doenças transmitidas por ele.

De acordo com a gerente de Políticas Educacionais do Ensino Médio da Secretaria Estadual de Educação, Carolina Ferreira, os professores selecionados para participar da capacitação atuam em escolas-piloto do Novo Ensino Médio. Pernambuco tem 423 escolas – sendo 318 de tempo integral e 105 regulares – no piloto estadual. A reforma prevê que as unidades adotem tempo integral, tendo horário ampliado para 1,4 mil horas, o equivalente a sete horas diárias.

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.