saúde | Fonte: Diario de Pernambuco

Reflexo do aumento da testagem

Fonte: Diario de Pernambuco

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco.

Na avaliação do secretário de Vigilância do Ministério da Saúde, Arnaldo Correia, a dinâmica das novas confirmações é um reflexo do aumento da realização de testes da Covid-19.

Outro fator importante para avaliar em que estágio o país se encontra na pandemia é a taxa de reprodução de vírus, chamada de Rt. O dado é relevante porque ajuda governantes a definirem qual a melhor hora para optar pela flexibilização do isolamento social. “O recomendado é que essa taxa esteja abaixo de 1, mas o ideal, mesmo, é abaixo de 0,8. Quando Wuhan reabriu, na China, ela estava com a taxa em torno de 0,3. Na Alemanha, a retomada aconteceu com a taxa de 0,75”, explica o plantonista do Hospital Imaculada Conceição, Rodrigo José.

Em meio à onda de flexibilização brasileira, as taxas de contágio (Rt) da Covid voltaram a subir. Na nova avaliação do Imperial College de Londres, o Brasil, que na semana passada chegou perto de atingir níveis considerados controlados da transmissão, sofreu um retrocesso e aumentou a Rt para 1,11, ou seja, cada grupo de cem pessoas infectadas transmite o vírus para outras 111. Em abril, com Rt de 2,3, o país chegou a ocupar o primeiro lugar no ranking de nações com maior descontrole da doença. Já no fechamento da 26ª semana, chegou próximo de sair do rol de disseminação ativa, com Rt de 1,03. Taxas acima de 1 significam que o contágio está descontrolado, não sendo possível rastrear com precisão o caminho do vírus. Com a atualização, o país se mantém pela 11ª semana entre os países com transmissão ativa, sendo os Estados Unidos o de mais longa permanência neste patamar. Por outro lado, o Brasil tem apresentado melhoras graduais em relação às subnotificações, um dos critérios necessários para conseguir identificar e conter a transmissão da Covid-19. Com o fechamento da semana 27, de 28 de junho a 4 de julho, o Imperial College calcula que a nação reporta 43,9% dos casos. No balanço anterior, o índice estava em 36,3%. Em relação ao início de abril, o avanço foi significativo, já que, à época, o país só registrava 10,4% das infecções.

Com a atualização, o Brasil se mantém por 11 semanas entre os países com transmissão ativa.

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.

Clippings