Opinião | Fonte: Jornal do Commercio

Mauro Arruda, 1930-2020

Reportagem: Carlos Moraes Fonte: Jornal do Commercio

Meu amigo Mauro Arruda, agora convertido em saudade, foi um dos mais brilhantes cirurgiões brasileiros. Éramos amigos desde 1962 quando passei a integrar a equipe de cirurgia cardíaca do professor Luiz Tavares no Hospital Pedro II. Anteriormente ele havia trabalhado com Joaquim Cavalcanti, no Hospital Osvaldo Cruz, com quem aprendeu a arte da cirurgia torácica. Mauro foi o melhor cirurgião de pulmão que vi operar e com quem muito aprendi trabalhando no Sancho. Com a morte precoce do professor Joaquim, ele foi para São Paulo estagiar com Dr. Zerbini em cirurgia cardíaca a qual dava seus primeiros passos. Foi um pioneiro na circulação extracorpórea e muito contribuiu para que Luiz Tavares realizasse a primeira operação de coração com essa técnica no Nordeste do Brasil.

Em 1971 nos associamos a Ivan Cavalcanti e Edgar Victor, compramos a aparelhagem de cinecoronariografia e todo o material para realizar cirurgia cardíaca e transformamos o Hospital Português de uma modesta casa de saúde no grande centro de cardiologia e cirurgia cardiovascular atual. A trajetória de nosso grupo, já devidamente registrada na literatura, mostrou que o espírito universitário pode ser desenvolvido independente da instituição na qual se trabalha. Em 1986, quando criamos duas equipes separadas, mantivemos a amizade e o respeito recíproco. Esse foi seguramente outro grande exemplo que demos à medicina pernambucana. Mauro Arruda foi além de excelente profissional um chefe de família exemplar. Criou com Maria Consuelo uma família da qual muito se orgulhava: três filhos, seis netos e 8 bisnetos. Junto com eles , a medicina pernambucana está enlutada.

Carlos Moraes, é medico

Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.

Clippings