Flexibilização | Fonte: Jornal do Commercio

Aulas presenciais de idioma, autoescola e formação profissional voltam em quatro etapas, a partir...

Fonte: Jornal do Commercio

Aulas presenciais de idioma, autoescola e formação profissional voltam em quatro etapas, a partir do dia 17

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco.

Uma análise dos números da Saúde em Pernambuco, segundo o governo do Estado, feita pelo Comitê de Enfrentamento à Covid-19, revelou que os índices de contágio do novo coronavírus permanecem em queda, indicando que o Estado tem capacidade de dar mais um passo no plano de convivência com o novo coronavírus. Dessa maneira, o secretário de Educação e Esportes de Pernambuco, Fred Amancio, anunciou ontem, em coletiva de imprensa, o calendário de retomada das aulas presenciais para cursos livres em Pernambuco. As atividades incluem aulas de idiomas, de qualificação e formação profissional e cursos das autoescolas.

 O retorno das aulas presenciais dos cursos livres acontecerá de forma escalonada, com a primeira etapa no dia 17 de agosto. Nessa fase, estão autorizados apenas estudantes a partir de 18 anos de idade e as instituições de ensino só poderão receber até 25% da capacidade. Já no próximo dia 24, as instituições ofertantes de cursos livres poderão receber até 50% dos seus estudantes, com idade mínima de 15 anos. No dia 31, a rede receberá até 75% do corpo discente, com alunos a partir de 11 anos de idade. No dia 8 de setembro, passarão a ser atendidos 100% dos estudantes. “A decisão foi tomada após criteriosa análise dos números da pandemia no Estado, e as instituições de ensino deverão obedecer ao protocolo setorial de segurança, respeitando as orientações sobre distanciamento social e as medidas de proteção e prevenção. É importante ressaltar que o gabinete de enfrentamento à covid-19 está monitorando o número de casos e, se necessário, a evolução das etapas de retomada pode ser reconsiderada”, disse Fred Amancio.

O secretário ainda deixou claro que não está ainda autorizada a volta das aulas presenciais na educação básica (ensino infantil, anos fundamentais e médio) nem no ensino superior. “Também não voltam, por enquanto, as aulas presenciais nos cursos técnicos nem aquelas que são preparatórias para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio)”, destacou Fred. Também não estão autorizados os cursos preparatórios para o Sistema Seriado de Avaliação (SSA) e outros vestibulares ou disciplinas específicas. Essas atividades seguem suspensas até o dia 15 de agosto, e ainda não há uma definição sobre a data de retorno. Um plano de retomada está em fase final de elaboração e será divulgado em breve. Essa incerteza preocupa o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de Pernambuco (Sinepe), que alega que as escolas particulares já estão preparadas para retomar as atividades de forma gradual. “Continuamos na luta pela definição de uma data, e começamos a sentir que é profundamente injusto com a área de Educação. Vemos organismos internacionais de respeito na área de saúde colocando nossa atividade em médio risco, e há atividades de alto risco que já retornaram. As únicas que permanecem praticamente sem voltar, nas áreas consideradas de médio risco, são escolas e universidades”, afirmou o presidente do Sinepe, José Ricardo Diniz.

O presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) e prefeito de Afogados da Ingazeira, José Patriota, afirmou que a maior parte dos prefeitos discorda de uma eventual volta ainda este mês. “A gente acha que, em agosto, não tem condições. Terminado o mês, avaliamos os números. Quem vai dizer, necessariamente, são as autoridades sanitárias, mas o sentimento hoje é quase unanimidade. Como os números estão caindo, a gente tem que fazer uma avaliação bem equilibrada. De qualquer forma, o prejuízo é imensurável para toda a cadeia”, disse. Em uma assembleia realizada pelo órgão no início da semana, prefeitos defenderam que o retorno só ocorra em 2021, devido aos riscos de infecção. Ainda não está autorizada a volta das aulas presenciais na educação básica (ensino infantil, anos fundamentais e médio) nem no ensino superior ‘A decisão veio após criteriosa análise dos números da pandemia no Estado, e as instituições de ensino deverão obedecer ao protocolo”, destacou Fred Amancio ‘O Agreste continuará na 6ª etapa, mas com liberação das feiras do Polo de Confecções a partir da próxima semana”, informou Bruno Schwambach ‘Estamos colocando em risco toda uma geração. O custo a médio e longo prazo da não retomada poderá ser irreversível para o País”, disse Mozart Neves Ramos ‘Ainda há uma forte circulação do vírus no Estado. O cenário epidemiológico não nos dá uma segurança para a volta às aulas”, defendeu Ana Brito.


Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.

Clippings