Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

De auxiliar a enfermeira

9
Array
(
    [0] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 9
            [name] => Clipping
            [slug] => clipping
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 9
            [taxonomy] => category
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 77152
            [filter] => raw
            [cat_ID] => 9
            [category_count] => 77152
            [category_description] => 
            [cat_name] => Clipping
            [category_nicename] => clipping
            [category_parent] => 0
        )

)
					Array
(
    [0] => clipping
)
tem				

Quem busca conhecimento, terá sempre uma porta aberta. E os especialistas avisam: curso de auxiliar perdeu espaço para o técnico

Depois de cinco anos de faculdade, Ana Denise Rodrigues, 24 anos, se formou no final do ano passado no curso superior de enfermagem. Antes, já havia feito o curso de auxiliar e obtido o diploma do curso técnico em enfermagem. Para ela, a graduação foi um caminho natural em busca de mais qualificação. “Recife tem ótimos hospitais, que cada vez mais exigem um profissional capacitado. Para quem busca conhecimento e se recicla com freqüência, não faltam oportunidades de emprego”, afirma Denise, que agora se prepara para tentar residência. A trajetória dela reflete a crescente busca por capacitação num mercado em expansão e muito exigente.

Segundo o Conselho Regional de Enfermagem, as escolas estão deixando de oferecer o curso de auxiliar de enfermagem porque a procura é pouca. “Os profissionais que faziam o curso de auxiliar começaram a sentir a necessidade de fazer a complementação para técnico e hoje quase nenhuma escola no Recife oferece curso de auxiliar”, conta a assessora da presidência do Conselho, Valúzia Araújo. Em todo o estado são mais de 38 mil enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem cadastrados no conselho. “A cada ano registramos o aumento de novos profissionais na área. Antes tínhamos apenas três faculdades de enfermagem, mas hoje os estudantes contam com várias opções”, completa Valúzia.

E não foram só os profissionais de enfermagem que sentiram a necessidade de buscar mais qualificação por conta das exigências do mercado.O curso superior de radiologia, por exemplo, surgiu nesta década no estado para preparar o profissional a operar máquinas de alta tecnologia. “Ao final do curso, que dura em média três anos, o profissional está capacitado para trabalhar em diversas áreas, como exames de tomografia e ressonância magnética”, explica a coordenadora do curso da Faculdade Maurício de Nassau, Geovanna Cabral. “A empregabilidade do curso é bastante alta e quase todos os alunos já saem com emprego garantido”, conclui.