Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Detentos do Aníbal Bruno estão sendo capacitados

9
Array
(
    [0] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 9
            [name] => Clipping
            [slug] => clipping
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 9
            [taxonomy] => category
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 77152
            [filter] => raw
            [cat_ID] => 9
            [category_count] => 77152
            [category_description] => 
            [cat_name] => Clipping
            [category_nicename] => clipping
            [category_parent] => 0
        )

)
					Array
(
    [0] => clipping
)
tem				

Ilana Ventura

A Secretaria Estadual de Ressocialização (Seres), em parceria com a Secretaria de Saúde da Prefeitura do Recife e a Secretaria de Educação do Estado, deu início, ontem, à capacitação de 50 reeducandos do Presídio Aníbal Bruno para atuarem como agentes de saúde ambiental dentro da unidade prisional, prevenindo a população carcerária contra a ação do mosquito da Dengue. Serão três dias de palestras e orientações práticas sobre como combater a doença. Na abertura dos trabalhos, o diretor do presídio, Coronel Geraldo Severiano, falou da importância da ação. “Queremos combater a Dengue com ajuda mútua. Vocês serão instruídos para localizar focos da doença dentro do presídio para que nós não sejamos reféns do mosquito”, disse.

Segundo o gerente do programa de saúde ambiental da Secretaria de Saúde do Recife, Otoniel Barros, a ação visa identificar e eliminar os focos da doença dentro do presídio porque o local abriga 3.500 presos e eles recebem, em média, 6.500 visitantes. “Queremos evitar possíveis problemas dentro do Aníbal Bruno e nas áreas em torno do presídio, além de preservar as famílias e amigos dos que freqüentam o local”, afirmou.

A capacitação está sendo realizada por sete agentes de saúde ambiental, sob a coordenação do supervisor da Vigilância Sanitária Ambiental, distrito sanitário V, Jurandir Almeida. De acordo com o supervisor, os ambientes do presídio onde existam tanques, caixas d’água e lixo serão mapeados e tratados. “Os agentes vão aprender a identificar focos de proliferação do mosquito e serão orientados a manter o tratamento nesses locais” ressaltou.

Os detentos estão animados para poder ajudar no combate ao mosquito. Werlen David Neves dos Santos, de 40 anos, preso há dois anos e quatro meses, ficou satisfeito ao ser um dos escolhidos. “Estou muito feliz em poder aprender como combater o mosquito. Isso vai ajudar a gente a se proteger e a proteger também a população lá fora”, disse.