Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

“Barriga de chope”: riscos são maiores

Os distúrbios hormonais são apenas uma pequena fatia do conjunto de fatores que levam à obesidade. Especialistas já entendem o excesso de peso como uma doença de múltiplas causas, que pode ter origens de ordem genética, ambiental, neurológica, psicológica ou inatividade física. Há, porém, complicações que podem ser associadas e elevar os riscos de outras enfermidades. E, na maioria dos casos, elas se manifestam de forma sistêmica. É o que os médicos chamam de síndrome metabólica, um conjunto de sintomas que pode aumentar a probabilidade de o paciente desenvolver doenças coronarianas, pressão alta e diabetes. O tema será abordado nesta segunda (dia 29), em uma palestra com o cardiologista Emmanuel de Abreu sobre no Hospital Jayme da Fonte (Rua das Pernambucanas, 167, Graças), às 19h. O evento é aberto ao público.

A maior característica da síndrome metabólica é a gordura visceral concentrada na região abdominal, a famosa “barriga de chope”, que muitos julgam inofensiva. Mas é justamente ela que agrava os riscos. Além dela, outros fatores estão associados à doença, como alteração nos níveis de colesterol ruim (LDL) e de triglicerídeos, acúçar em excesso no sangue (hiperglicemia) e índice de massa corporal (IMC) acima de 40 kg/m2. “Pessoas não obesas, mas que têm uma barriga avantajada, estão no grupo de risco”, alerta o médico cirurgião Walter França, do Hospital Oswaldo Cruz. Segundo o especialista, portadores da síndrome metabólica têm duas vezes mais chances de desenvolver doenças cardiovasculares e cinco vezes mais de sofrer de diabetes do tipo 1.

O médico França informa ainda que a circunferência abdominal passa a ser um fator de risco quando ultrapassa a marca de 90 cm de diâmetro (para homens) e 80 cm (para mulheres). Para se prevenir da doença, a recomendação é combinar dieta balanceada com atividade física regular. E evitar comportamentos de risco, como alcoolismo e tabagismo. “É necessária a modificação de hábitos. A ingestão calórica requer a queima na mesma medida”, resume.