Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Tecnologia dá clareza aos neuro diagnósticos

Com um número cada vez maior de pessoas que sofrem acidente vascular cerebral (AVC) provocado por aneurisma, um equipamento tem se tornado primordial para a prevenção de complicações desse quadro neurológico, que pode incapacitar o paciente ou levá-lo a morte. O dispositivo não tem nada em comum com exames realizados nas grandes máquinas de tomografia ou ressonância. Ele é portátil, rápido, indolor, não exige contraste, nem sedação. Funciona como um ultrasson. O Doppler Transraniano, ao longo dos últimos dois anos, tornou-se o coringa” dos neurologistas em acompanhar o funcionamento das artérias do cérebro, área do corpo até pouco tempo monitorada por protocolos clínicos como aferição a pressão arterial, frequência cardíaca e nível de consciência do paciente.

O neurologista da Unimed e profissional habilitado para a realização do Doppler Transcraniano, Sérgio Siqueira Pinheiro, explicou que o equipamento dá mais segurança para o profissional tomar as condutas de tratamento no paciente. “O exame lê as velocidades das artérias dentro da cabeça e a gente tem parâmetros para saber se aquelas velocidades estão dentro do normal. Se houver alteração, dependendo do caso, isso implica em mudança de conduta”, contou. O principal ganho dele está na prevenção a fim de evitar sequelas ou complicações. “O upgrade é a segurança. Podemos visualizar em tempo real se houve aumento da velocidade na circulação do sangue no vaso ou se ele já esta em vaso espasmo, e assim e indicar um tratamento precoce”, comentou.

O vaso espasmo é o transbordamento do sangue que deveria estar dentro da artéria para fora, e assim acaba irrigando e irritando o cérebro. O que leva a ele em geral é o aneurisma, que é uma dilatação da parede da artéria e tem causa genética. “Com o tempo e a pressão, aquela parede arterial mal formada vai cedendo e forma um saco. Este saco pode estourar e o sangue extravasa. Isso pode ocasionar uma oclusão (fechamento) dessas artérias e um AVC”, explicou.

As indicações do exame são: acompanhamento de pacientes que tem sangramento de aneurisma cerebral, para pacientes que tem estreitamento de artérias dentro da cabeça, aquele que já tiveram AVC, para o monitoramento de transfusões de sangue para pacientes com anemia falciforme e também para prevenir AVC em pacientes com embolia. Apesar das facilidades o Doppler Transcraniano não substitui outros testes que mostram a anatomia dos vasos da cabeça, como a angioressonancia e a angiotomografia. Ele é um exame que se soma, é um teste funcional. Uma aplicação ainda sob estudo é o uso em pacientes com sangramento craniano provocado por acidentes. “Não existe ainda comprovação científica para o uso do doppler transcraniano para este tipo de hemorragia. Porque costuma ser uma hemorragia que, na maior parte das vezes se resolve sem dano”, disse o médico.