Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Mês de atenção ao câncer

O Grupo de Ajuda à Criança com Câncer de Pernambuco (GAC-PE), em parceria com a Prefeitura do Recife e universidades da Capital, lançou um projeto de capacitação voltado para profissionais das equipes de Estratégia de Saúde da Família (ESF) com intuito de identificar casos de câncer precocemente. As chances de uma criança ou adolescente serem curadas sobe de 40% para 90% em alguns casos se a doença for rapidamente identificada. Intitulado “Fique Atento: Pode ser Câncer!”, a ação faz parte do “Setembro Dourado”, mês de conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce para o combate

Os primeiros a participar da capacitação piloto por videoconferência, que será de 24 horas para médicos e cirurgiões dentistas e de 20 horas para os demais profissionais da Estratégia de Saúde da Família, serão os cerca de 600 profissionais do Distrito Sanitário II da Cidade, que compreende os bairros Arruda, Campina do Barreto, Encruzilhada, Hipódromo, Peixinhos, Ponto de Parada, Rosarinho, Torreão, Água Fria, Alto Santa Terezinha, Bomba do Hemetério, Cajueiro, Fundão, Porto da Madeira, Beberibe, Dois Unidos e Linha do Tiro.

Durante cinco encontros os profissionais receberão informações sobre os cuidados necessários com as crianças, sinais e sintomas do câncer infanto-juvenil, informações sobre a rede de referência no tratamento e o uso da plataforma de Telessaúde HealthNET, entre outros conteúdos. As aulas começam no dia 16 de setembro e terminam em novembro. O treinamento será realizado por meio do Núcleo de Telessaúde da UFPE (NUTES), que oferece recursos para realização de aulas por meio de telecomunicação. O Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC) da UPE disponibilizará os docentes e a infraestrutura do núcleo de telessaúde do hospital. Os estudantes da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Universidade de Pernambuco (UPE) também poderão participar como bolsistas e voluntários no projeto. “Queremos complementar a formação dos profissionais de saúde, pois os cursos de graduação não oferecem disciplinas específicas sobre o câncer i