Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Organização Mundial da Saúde

Margarida Cantarelli
Professora de Direito Internacional
da Faculdade de Direito Damas
mocant@terra.com.br

A Organização Mundial da Saúde – OMS integra o Sistema das Nações Unidas como um organismo especializado da ONU com finalidade claramente expressa no nome da Organização. Outras, do mesmo gênero, são mais conhecidas, como a FAO (Agricultura e Alimentação) onde pontificou por muitos anos o pernambucano Josué de Castro; a UNESCO que esbanja charme em Paris ou o Fundo Monetário Internacional – FMI considerado vilão em muitos países.

Mas, esta semana a boa Organização – a OMS também apareceu como a bruxa má do Halloween quando aponta como nocivos à saúde vários alimentos que fazem parte do dia a dia de alguns povos. Nem consigo imaginar como será o breakfast dos ingleses sem o seu bacon matutino. Acho que vão acordar com as badaladas do Big Ben ao meio dia para não passarem pelo sofrimento de tomar o desjejum com geleia, como os franceses. Como ficarão os americanos sem o famoso Hot Dog, cheios de mostarda, catchup e tudo o mais que espalharam pelo resto do mundo. E os gaúchos, sem o churrasco dos fins de semana, exatamente aquele que é assado com a gordura voltada para cima a fim de dar melhor sabor à carne. E a nossa feijoada com tantos defumados! Mas, o pior a meu sentir é como ficarão os portugueses. É possível um caldo verde sem as rodelas de salame, o cozido sem os embutidos, até o meu delicioso arroz de pato à antiga sem levar desses deliciosos alimentos, ora condenados?

Lembro-me do tempo que as restrições alimentares eram pequenas, apenas eliminar o açúcar para os diabéticos. Houve uma época que o ovo era o inimigo número um da humanidade. Cheguei a pedir num gesto de desespero à minha endocrinologista (a querida Valdecira Lucena) que me deixasse, como presente de Natal, que eu saboreasse um pão francês com ovo mexido, como levava quando criança como merenda para o Colégio. Agora reabilitado, posso descontar o tempo perdido, mas sem ser frito!

A situação já vinha se agravando. O leite antes apenas desnatado, agora também sem lactose, como a manteiga, o queijo e o iogurte O glúten, já vinha retirando o sabor de tantos alimentos. Bom, pensei, sobram-me as frutas! Doce engano, a pinha e o abacate, vetados! Mas, a melancia vem salvar-me. Também não, tem açúcar. Água de coco, com moderação. Fiquei com um copo d’água apenas com algumas gotas de limão. Mas, o que dá colesterol e todas as mazelas é a televisão, os computadores e tudo o mais que nos mantém sedentários, quase imóveis. Dou adeus ao cachorro quente, mas jamais esquecerei o cheiro daqueles da porta dos clubes nos saudosos bailes de carnaval.