Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Cerco ao Centro Oftalmológico

O Centro Oftalmológico de Pernambuco (Cope), na Avenida Conde da Boa Vista, Centro do Recife, está sendo investigado por suspeita de crimes contra a saúde pública e contra o consumidor. Três funcionários da unidade foram detidos, na manhã de ontem, e admitiram, em depoimento, realizar procedimentos oftalmológicos sem a presença de médicos especialistas, embora não tenham formação na área de saúde. Eles vão responder a inquérito em liberdade.

“Os funcionários estavam fazendo exames numa sala com o nome consultório em cima da porta e vestidos com uma bata branca de técnico de saúde”, explica o delegado do consumidor, Roberto Wanderley. O médico especialista só apareceria no final do atendimento para assinar o laudo.

Além da atuação indevida de funcionários administrativos fazendo exames que deveriam ser realizado por profissionais, também é apurada a prática de venda casada, já que os pacientes seriam levados da consulta direto para uma ótica do local.

A delegacia foi acionada por meio de denúncia anônima. A clínica ficou de se posicionar sobre o assunto, mas até o fechamento desta edição, às 21h, não o fez.

Ontem, também, a Polícia Federal tomou depoimento do suspeito de exercer medicina ilegalmente no interior de Pernambuco, na Paraíba e no Rio Grande do Norte. Bruno Maurício Costa Mousinho, de 33 anos, se apresentou com o advogado (seu irmão, Diego Mousinho) e admitiu utilizar dois registros do Conselho Regional de Medicina (CRM) de médicos de Pernambuco e de Alagoas para atuar no Brasil. Um deles se chamaria Bruno, mas ele negou que fosse Bruno Tenório Gonçalves, 30, o profissional que o denunciou.

“Ele alegou ser formado em medicina na Bolívia e disse que não pegou o diploma porque preferia se formar no Brasil, mas não teria conseguido concluir o curso aqui por questão financeira”, explica o assessor de comunicação da PF, Giovani Santoro. Mousinho já atuaria ilegalmente há dois anos, mas como não houve flagrante vai responder em liberdade. O inquérito será apurado pela Polícia Civil.