Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Falso médico se apresenta à PF e diz ser formado em medicina por universidade boliviana

Se algum paciente atendido pelo acusado tiver morrido, ele pode ser incriminado por homicídio além de responder pelos crimes de falsidade ideológica e exercício ilegal da profissão

Falso médico que atuava ilegalmente no interior do Estado há dois anos se apresentou, no final da manhã desta terça-feira (10), à Polícia Federal, na avenida Cais do Apolo, Bairro do Recife. Bruno Maurício Costa Mousinho afirmou ser graduado em medicina por universidade boliviana e que utilizou o CRM de dois médicos ilegalmente. Ele nega ter se passado por Bruno Tenório Gonçalves, que o denunciou à PF no dia 3 de novembro. Mousinho deve responder pelos crimes de falsidade ideológica e exercício ilegal da medicina. Caso algum paciente atendido por ele tiver morrido, ele pode ser incriminado por homicídio.

Mousinho, que é alagoano, chegou acompanhado do advogado Diogo Mousinho, irmão dele. O falso médico deve responder em liberdade. De acordo com a PF, o caso deve ser encaminhado à Polícia Civil do Estado.

Em depoimento, Mousinho afirmou que se formou em medicina em na Bolívia e, ao chegar ao Brasil, achou mais vantajoso realizar um novo vestibular para o mesmo curso. O objetivo era dispensar a maioria das disciplinas. Ele começou a estudar novamente em 2012 na Faculdade de Medicina Nova Esperança, na Paraíba, contudo precisou trancar o curso por dificuldades financeiras neste ano.

Ainda conforme o acusado, ele resolveu trabalhar como médico por já ser graduado. Portanto, buscou o CRM de outro profissional que também se chamasse Bruno. Primeiro, utilizou o registro de Bruno Pereira de Moraes, de Alagoas e, depois, de Bruno Duarte da Silva, de Pernambuco. Ele nega ter se passado por Bruno Tenório Gonçalves, que denunciou o caso à Polícia Federal na última terça-feira. O acusado confirmou ter conhecido Tenório em um hospital em Carpina, Zona da Mata do Estado. No depoimento, o falso médico denunciou Tenório ao afirmar que ele utilizava o CRM do irmão, Rodrigo Tenório (também médico), antes de se formar em medicina.