Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

‘Sexo é para amador, gravidez é para profissional’, diz ministro após aumento de microcefalia

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, disse nesta quarta-feira (18) que, diante do aumento inesperado de casos de recém-nascidos no país com microcefalia, mulheres que desejam engravidar neste período devem analisar os riscos com a família e médicos antes de tomar uma decisão.

“Sexo é para amador, gravidez é para profissional. A pessoa que vai engravidar precisa tomar os devidos cuidados”, disse. “Ninguém deve engravidar ao acaso, deve ser feito um planejamento para uma maternidade responsável”.

Em três meses, o país já soma 399 casos de bebês com diagnóstico de malformação do crânio, condição que pode levar a problemas graves no desenvolvimento da criança. Segundo Castro, se o vírus zika for confirmado como a causa do surto, conforme a hipótese investigada pelo governo, a situação pode se estender para outros Estados além do Nordeste e “até outros países”.

A afirmação ocorre após resultados de exames em duas grávidas da Paraíbacujos bebês foram diagnosticados ainda na gestação com microcefalia. Amostras coletadas do líquido amniótico confirmaram a infecção por zika, vírus identificado no Brasil neste ano e transmitido pelo mesmo mosquito da dengue, o Aedes aegypti.

Após o resultado, o Ministério da Saúde informou nesta terça (17) que é “altamente provável” que os demais casos já registrados em sete Estados do Nordeste também tenham relação com o vírus.

“Precisamos ter mais dados para ter segurança [sobre as causas]. Mas a hipótese do zika está fortalecida”, disse Castro. “Em qualquer hipótese, o cenário é gravíssimo.”

“O zika era tratado como dengue mais branda. Se for confirmado que é o causador, isso o torna o mais perigoso dos vírus transmitidos pelo Aedes aegypti”, afirmou, após evento sobre segurança do trânsito.

Questionado, o ministro disse que ainda não há previsão de novas ações a serem tomadas em relação ao surto. Nos casos de microcefalia, o bebê nasce com o perímetro da cabeça menor do que a média, que é acima de 34 cm. Cerca de 90% dos casos está ligado a algum tipo de deficiência mental.

Presente no evento, a diretora-geral da OMS (Organização Mundial de Saúde), Margareth Chan disse que a organização vem acompanhando as investigações.

“É preciso enfatizar que essa ligação [com o zika vírus] ainda não está determinada”, afirmou. “Precisamos continuar o trabalho. Estamos acompanhando as novas descobertas, e o governo está tomando ações”, disse.