Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Confirmada morte por chikungunya

Danielle Marques de Santana, 17 anos, teve miosite desenvolvida pela febre. Antes dela, só quatro casos haviam sido registrados no mundo

Mais uma complicação neurológica decorrente da infecção por arboviroses foi notificada em Pernambuco. Depois da associação entre zika e síndrome de Guillain-Barré, o estado confirmou que a índia xukuru Danielle Marques de Santana, 17 anos, teve miosite desenvolvida pela chikungunya. A relação é inédita no Brasil e, no mundo, só existem quatro casos confirmados, todos da Índia, de 2013 e 2014. Danielle faleceu no dia 6 de janeiro, depois que o quadro agravou para uma infecção generalizada. A Secretaria de Saúde de Pernambuco foi notificada e está investigando o caso.

Os resultados do laudo foram apresentados ontem pela chefe do setor de neurologia do Hospital da Restauração (HR), Lúcia Brito. A princípio, os médicos suspeitaram de SGB, cujos sintomas são parecidos com a miosite, mas a síndrome foi descartada porque, além da paralisia de membros, a adolescente apresentou taxas elevadas de enzimas musculares. “Essa é uma característica exclusiva da miosite, que causa inflamação nos músculos. A chikungunya levou ao quadro de miosite, que gerou a infecção generalizada. É mais um alerta vermelho”, esclareceu a neurologista.

A miosite causa a paralisia dos membros, do aparelho respiratório, fraqueza e dores musculares. A hipótese médica é de que predisposição genética, idade e baixa imunidade possam favorecer o surgimento da complicação. O Ministério da Saúde foi notificado. A SES informou que permanece fortalecendo as ações de controle do Aedes aegypti e irá reforçar as orientações de manejo clínico dos pacientes, para evitar que os quadros se agravem.

Os casos de complicações neurológicas associadas a arboviroses começarão a ser notificados pela SES. Uma nota técnica, em discussão, deverá ser divulgada com orientações aos profissionais de saúde. Uma unidade sentinela também será criada para a vigilância dos pacientes. O início das notificações depende de um alinhamento com o Ministério da Saúde.