Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Recife não usa larvicida químico

O secretário de saúde do Recife, o médico Jailson Correia, informou que, há muitos anos, a capital não utiliza larvicida químico no combate ao Aedes. Optou por adquirir o larvicida biológico BTI (bacillus thuringiensis israelensis). O titular da pasta mostrou-se preocupado com a informação que relaciona microcefalia e uso do produto químico pyriproxyfen, como levantou pesquisadores argentinos. “Me preocupa por não ter base científica robusta. Temo por ser um insumo importante na estratégia de combate ao vetor”, disse.

A Pastoral da Saúde Nordeste 2 (AL, PE, PB e RN) irá solicitar ao Ministério da Saúde e à Organização Mundial de Saúde todas as informações de pesquisas, empresas envolvidas e estudos em seres humanos sobre a toxicidade do pyriproxyfen e de quaisquer outros larvicidas químicos. O órgão quer chamar a atenção para a política historicamente fracassada de controle das doenças com foco apenas no vetor. No dia 22, haverá um encontro para definir as ações.