Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Prioridade para famílias de microcéfalos

A visita do novo ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra (PMDB-RS), ao Recife, ontem, sinalizou para a vinda de recursos e programas específicos direcionados às famílias com bebês com microcefalia. Pernambuco foi escolhido por ele para ser o primeiro estado visitado desde que assumiu a pasta, justamente por causa da epidemia de zika e quantidade de registros de microcefalia. São 354 casos confirmados no último boletim da Secretaria Estadual de Saúde (SES), divulgado também ontem. Os dados foram coletados do dia 1º de agosto de 2015 até 14 de maio de 2016. Terra afirmou que quis ver de perto o andamento de programas vinculados ao ministério e a situação das famílias com crianças atingidas pela malformação.

Em agenda intensa no Recife, acompanhada pelo governador Paulo Câmara (PSB) e o prefeito da cidade, Geraldo Julio (PSB), o ministro visitou primeiro a Policlínica Lessa de Andrade, Madalena, onde conversou com famílias com bebês com microcefalia. Desde 4 de janeiro deste ano, o local acolhe um núcleo de desenvolvimento infantil para atender os bebês. Desde então, 90 crianças passaram pela unidade. Atualmente, 48 são acompanhadas no núcleo, sendo 29 microcéfalos e 19 com suspeita da malformação. Em seguida, Osmar Terra foi à Central do Bolsa Família do Recife, na Rua do Imperador. Na capital, existem mais de 100 mil beneficiários do programa. Cerca de seis mil são atendidos na unidade por mês.

A terceira parada da comitiva foi na casa de Rúbia Ferreira Valeriano, 31 anos, em Santo Amaro. Mãe de nove filhos com idades entre 4 e 14 anos, ela recebe R$ 722 do Bolsa Família e está em vulnerabilidade social. O grupo terminou o roteiro no Compaz do Alto de Santa Terezinha, onde Osmar Terra enfatizou a necessidade de atenção especial aos microcéfalos. De acordo com ele, Pernambuco pode ser o estado piloto de novas iniciativas. “Bolsa Família só não é suficiente. É preciso avançar em programas específicos para que essas famílias possam se manter. Estamos estudando isso.” O ministro observou, ainda, que famílias de bebês com microcefalia devem ter prioridade em programas de ajuda continuada e habitacionais.

Na Policlínica Lessa de Andrade, o casal Maria de Fátima dos Santos, 20 anos, e Paulo Rogério Cavalcanti, 48, pais de Eduarda Vitória, sete meses e com microcefalia, conversaram com o ministro. Desempregados, eles moram na comunidade Santa Luzia, na Torre, e relataram dificuldades para criar a menina e a outra filha, Vitória Maria, de um ano e oito meses. O casal recebe Bolsa Família e outro benefício direcionado ao bebê. A renda total da casa para sustentar os quatro é de R$ 1 mil. Paulo teme que o Bolsa Família seja cortado por causa do segundo benefício.

Para o governador Paulo Câmara, é o momento de pensar nas políticas sociais dos microcéfalos, porque eles estão crescendo. “Vão precisar ir à escola e receber tratamento diferenciado. O governo federal conosco vai nos ajudar a pensar alternativas.” Geraldo Julio comentou que Osmar Terra veio ao Recife fazer uma pesquisa. “Demos as informações com a expectativa de atrair melhorias. Acho que essa é a ideia do ministro, que teve a oportunidade de entender o cotidiano das famílias de bebês com microcefalia, para encaminhar projetos específicos.”
Ontem, na Câmara Federal, foi aprovada medida provisória da presidente Dilma Rousseff que autoriza a entrada forçada de agentes em imóveis para combater o mosquito.

ARBOVIROSES
O boletim divulgado ontem pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) aponta que a chikungunya cresceu 13,72%, em relação à semana passada, e a dengue subiu 7,78%. A zika estacionou no mesmo período com 23 casos confirmados. Segundo George Dimech, diretor de controle de doenças e agravos da SES, é natural o número menor relacionado à zika. Os sintomas são mais leves e o doente muitas vezes sequer procura um médico, impedindo a notificação.
Ocorreram 27 mortes em virtude das arboviroses de 3 de janeiro a 14 de maio deste ano. Foram 21 casos confirmados para chikungunya e seis para dengue.