Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Cientistas mapeiam zika pelo Nordeste

Em média, 10% das amostras de sangue verificadas pelo projeto Zika in Brasil Real Time Analysis (ZIBRA) nas cidades de Natal (RN), João Pessoa (PB), Recife e Maceió (AL) positivaram para o zika vírus. Na Capital, 200 amostras foram avaliadas na última semana, 11% delas constatadas como infecção pelo zika. Até o momento, Maceió foi a capital com maior taxa: 14%. A campanha itinerante leva um laboratório móvel de análise genômica para cidades nordestinas onde a epidemia do vírus foi mais forte.

A pesquisa ainda passou por Aracaju (SE), Feira de Santana (BA) e Salvador (BA). A parada final foi na capital baiana. O resultado final do programa será apresentado na amanhã, na Fiocruz Bahia, No projeto inicial, o Zibra se propunha sequenciar 750 amostras do vírus, mas diante do pequeno percentual encontrado nas cidades o volume será menor.

A pesquisa está sendo realizada por meio de uma parceria entre Fiocruz Bahia, Instituto Evandro Chagas, Ministério da Saúde e universidades do Reino Unido, Canadá e Austrália. O objetivo do Zibra é ampliar o mapeamento genômico do vírus, para determinar a origem, sua diversidade genética e aspectos epidemiológicos. “A gente está trabalhando com casos de pacientes que têm o vírus no sangue ainda para ver o início da infecção. A gente quer saber a dispersão do vírus, as características genéticas dos vírus que circulam no Nordeste”, comentou o pesquisador da Fiocruz Bahia, Luís Alcântara. Para a coleta de sangue, a equipe faz parceria com os Lacens dessas capitais, que cede o material para análise.

O processamento é feito com um sequenciador de DNA de última geração (Oxford Nanopore MinION device), que, além de portátil, é capaz de sequenciar 12 amostras simultaneamente em seis horas. O equipamento foi adaptado de uma experiência realizada na epidemia de ebola, na África, que também mapeou o DNA daquele vírus. O grupo de trabalho do Brasil quer verificar se há alterações genéticas do zika por região e que apresentações clínicas os pacientes dessas localidades nordestinas tiveram.