Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Óbito por doença rara investigado

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) está investigando a morte de um paciente no Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), localizado no bairro de Santo Amaro, área central do Recife, pela doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ). Erroneamente chamada pelo nome de “Mal da vaca louca”, causa demência de progressão rápida associada a tremores musculares de extremidades.

O corpo do homem de 58 anos, de identidade não divulgada, foi encaminhado para o Serviço de Verificação de Óbito (SVO), onde será submetido a necropsia.

A Secretaria de Saúde não informou se há prazo para a conclusão da análise sobre a morte do paciente. A Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Apevisa) também foi acionada para orientar na manipulação e transporte do corpo do paciente.

Segundo a SES, a maioria dos casos da DCJ registrados no Brasil não tem origem infecciosa, ocorrendo normalmente num padrão espontâneo (sem antecedentes na família) ou familiar (quando há relatos de casos entre parentes). Nesses dois casos, não há um meio efetivo de prevenção.

Já a forma transmissível da doença, a prevenção é realizada evitando-se a ingestão de qualquer tecido nervoso de animais doentes, principalmente rebanhos importados de outros países.

O nome incorreto de “Mal da vaca louca” foi difundido a partir do ano de 1996, na Inglaterra, no continente europeu, quando houve um surto em humanos de uma variante da DCJ associada ao consumo de carne bovina. Nunca houve, no entanto, registros dessa variedade no Brasil.

No mundo, 85% dos casos da doença são de origem espontânea. A DCJ faz parte de um grupo de doenças classificadas como “priônicas”, causadas por um agente chamado “príon”, que não é vírus, bactéria ou fungo, mas possui capacidade infectante.