Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Câncer de pulmão é agressivo, mas tem tratamento

Saiba como o tipo mais comum de tumores está sendo combatido e conheça uma nova forma de atacar a doença e melhorar a qualidade de vida dos pacientes
O antitabagismo que o governo vem conduzindo desde a década de 1980 com o Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT), promovido pelo Ministério da Saúde por meio do Instituto Nacional de Câncer (INCA). Dentre as medidas mais importantes estão a proibição do fumo em locais fechados, lei de 1996 que também restringiu a propaganda do produto. Depois, em 2002, veio a inserção de imagens de advertência nos maços de cigarro, que causou polêmica por mostrar fotos chocantes, como bebês mortos e dedos gangrenados.

Outra medida importante foi a sanção de uma lei em 2011 que alterou a sistemática de tributação do Imposto sobre Produto (IPI) e instituiu uma política de preços mínimos para o cigarro, o que fez com que o valor do produto aumentasse signif ic ativamente de lá para cá. Por último, veio a nova Lei Antifumo, decreto que entrou em vigor em 2014 e proibiu o fumo em locais parcialmente fechados e extinguiu os “fumódromos”.

SINTOMAS E TRATAMENTOS complicada porque é difícil de ser detectada no início. “Nódulo no pulmão não causa dor”, diz Carolina Haddad. É apenas quando o tumor atinge tamanho mais avançado que o paciente pode começar a sentir falta de ar, desconforto ou tossir sangue, entre outros sintomas.

Os tratamentos mais comuns para combater a doença são cirurgia, quimioterapia ou radioterapia, dependendo do estágio de evolução e da localização do tumor e da presença de metástases. Elas acontecem com mais frequência nos ossos, no cérebro, na glândula supra-renal (ou adrenal) e nos linfonodos, pequenos órgãos espalhados pelo corpo que fazem parte do sistema imunológico, responsável pela defesa do organismo.

Um dos novos tratamentos é a imunoterapia, que chegou ao Brasil apenas neste semestre e consiste em estimular o sistema imunológico a atacar as células do câncer. Por enquanto ela pode ser indicada para pacientes que já passaram por quimioterapia e o tumor ressurgiu.

Outro recurso mais moderno é a terapia-alvo, que consiste em administrar um medicamento via oral que age diretamente na célula cancerosa. Para saber se o paciente é candidato a esse tratamento é preciso procurar uma mutação no gene EGFR dentro das células do tumor, sendo que essa alteração aparece com mais frequência em quem nunca fumou. Veja o infográfico para entender melhor como a terapia-alvo funciona. câncer de pulmãoéo tumor mais letal entre todos os tipos: mata quase 1,7 milhão de pessoas por ano no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde. Esse númeroémaiord oque as mortes caus adas pelos tumores de fígado e colorretais somados. T ambé mé um dos mais traiçoeiros, pois não causa sintomas em seu estágio inicial. P orisso, muitas vezes adoençaé diagnosticada quando já está avançada ou provocou uma metástase, ou seja, atingiu outros órgãos.

Époress emotivo que aprevençãoé opas somais importante para combatera doença. E, considerando que em 90% dos casos de câncer de pulmão o problema está associado ao consumo de derivados de tabaco, evitar esse tipo de tumor é também lutar contra o tabagismo.

O Brasil caminha bem nessa área já que, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer, em quase duas décadas o País conseguiu reduzir seu número de fumantes de 43% da população masculina e 27% da feminina acima de 15 anos em 1989 para 18,9% e 11% em 2013, respectivamente. Um estudo publicado em abril na revista científica The Lancet apontou que o cigarro é responsável por uma em cada 10 mor tesno mundo e destacou o Brasil, dentre 195 países pesquisados, como uma “história de sucesso digna de nota” na diminuição do tabagismo.

Esse resultado foi fruto de iniciativas Se o Brasil está indo bem no combate ao cigarro, ainda faltam outras iniciativas para aumentar a detecção precoce do câncer de pulmão. “Acredito que precisamos de programas contínuos de rastreamento da doença”, diz Carolina Kawamura Haddad, oncologista clínica do Hospital BP Beneficência Portuguesa.

O câncer de pulmão é uma doença