Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Mamaço coletivo leva mães e bebês para a Praça do Carmo

Para orientar sobre a importância do aleitamento materno, um mamaço coletivo foi realizado na manhã desta quarta-feira (30), por voltas das 10h, na Praça do Carmo, em Olinda. O evento reuniu cerca de 200 pessoas, dentre elas, 50 mães que estão em período de lactação.

Profissionais e estudantes de saúde, como nutricionistas e enfermeiros foram ao local para tirar dúvidas da população através de palestras a respeito da prática. Além do aleitamento, os orientadores também conversaram com as mães outros temas relacionados, como a pós-gravidez, respondendo a perguntas a medida que surgiam.

“O evento foi altamente produtivo porque a gente consegue esclarecer as dúvidas e retirar alguns mitos e motivar algumas pessoas para o fato de que amamentar é um ato de amor. A maior prova que a gente tem com nosso filho é querer que ele fique saudável e saber que ele consegue isso através de nós, que somos mães”, afirma a assistente de loja Cristiane Maria da Silva, 23 anos.

A Secretária de Saúde de Olinda ainda premiou simbolicamente com um quadro a unidade de saúde da família de Tabajara.  A premiação foi realizada devido a um concurso promovido pela secretária para as equipes de saúde da família: a equipe que  desenvolvesse mais ações e enfeitasse melhor a unidade, ganharia. “Para a gente foi uma grande satisfação. E eu acho que ganhar esse prêmio, esse reconhecimento, é um incentivo a mais, uma motivação, para que a gente perceba que o nosso trabalho não pode acabar”, disse Gisele dos Santos Cajueiro Gomes, 25 anos, uma das agentes comunitárias premiadas.

Alessandra Fan, da Coordenação de Saúde da Criança e do Adolescente, explica que o leite em caixinha e enlatado não é igual ao leite materno e por isso, exceto por casos com  dificuldades especificas,  o melhor é sempre amamentar. “O leite materno é riquíssimo em proteínas, aminoácido, lipídios, sais minerais, além de ter algumas coisas com relação a elementos protetores, que nunca as formas artificiais vão ter”, explica.