Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Mortes de crianças por Covid-19 são menos de 1%

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco.

O estudo identificou que 48 crianças ou adolescentes (8%) desenvolveram alguma forma grave da doença

Estudo europeu acompanhou 582 pacientes com menos de 18 anos infectados e quatro morreram As mortes infantis por Covid-19 são extremamente incomuns, pois ocorrem apenas em menos de 1% dos casos – aponta um estudo europeu que confirma que a doença é benigna para a grande maioria das crianças e dos adolescentes. No total, 82 centros de saúde participaram deste primeiro estudo europeu sobre pacientes entre três dias e 18 anos, publicado pela revista especializada The Lancet Child & Adolescent Health. Liderado por especialistas de Espanha, Grã-Bretanha e Áustria, este trabalho mostra, em primeiro lugar, que entre os quase 600 pacientes com menos de 18 anos estudados, todos infectados com a Covid-19, apenas 25% tinham problemas médicos preexistentes. Já a proporção de adultos com patologias anteriores que se contaminam com o novo coronavírus é muito mais elevada, segundo os estudos. Dos 582 pacientes estudados, e que deram positivo no teste virológico (rt-pcr), apenas quatro morreram (0,6%), todos com idade superior a 10 anos. Dois deles já apresentavam problemas médicos. Houve 48 crianças (8%) que desenvolveram uma forma grave da doença, necessitando de internação em terapia intensiva. O estudo levou em consideração apenas dados hospitalares e não inclui casos benignos, para os quais não é necessária assistência médica. Isso significa que a verdadeira taxa de letalidade entre jovens pode ser, provavelmente, muito menor do que a observada no estudo. “A taxa de letalidade da nossa coorte (de crianças) é muito baixa e deve ser muito menor, já que muitas crianças que sofrem de uma forma benigna da Covid-19 não foram ao médico e, portanto, não fizeram parte deste estudo”, disse Marc Tebruegge, do Instituto de Saúde Infantil Great Ormond Street, em Londres, coautor do estudo. “Em conjunto, a grande maioria das crianças e jovens sofre apenas de uma doença benigna”, afirmou. A dr. Begoña Santiago García, outra das autoras principais do estudo destacou, no entanto, o papel de outros vírus, que podem piorar a condição de menores infectados com Covid-19. “As crianças, nas quais foram detectados outros vírus nas vias aéreas ao mesmo tempo que o Sars-cov-2, eram mais suscetíveis de entrarem em terapia intensiva. Isso pode ter implicações importantes durante o próximo inverno, quando as infecções de resfriado e gripe são mais frequentes”, disse a dr. Begoña, do Hospital Universitário Gregorio Marañón, em Madri. De acordo balanço atualizado nesta sexta-feira, desde o início da pandemia, quase 9,7 milhões de pessoas em 196 países, ou territórios, contraíram o novo coronavírus. Destas, pelo menos 4.699.300 se recuperaram, segundo as autoridades.