Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Recife tem mais UTIs livres

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco.

A taxa de ocupação dos leitos públicos de unidade de terapia intensiva (UTI) do Recife, dedicados a pacientes com suspeita e diagnóstico confirmado da infecção pelo novo coronavírus, alcança o menor percentual desde março, quando se iniciou a epidemia na cidade. Com a readequação das vagas municipais, a capital totaliza atualmente 724 vagas em funcionamento, sendo 342 de UTI e 382 de enfermaria. Ontem a prefeitura desativou 90 leitos de enfermaria no hospital de campanha dos Coelhos e abriu mais 29 vagas de terapia intensiva no hospital da Rua da Aurora, em Santo Amaro – ambos na área central do Recife. Essa organização levou o Recife ter ontem uma taxa de ocupação de UTI em 68% – índice que já chegou em zona de criticidade, acima de 80%, nos meses de abril e maio, quando houve maior demanda por atendimento hospitalar na cidade.

“Neste momento, nós atingimos 342 leitos de UTI, superando a meta de 334 vagas (desse tipo). Hoje (ontem) há 168 pessoas lutando pela vida num leito de terapia intensiva da prefeitura, sendo que 58 são do Recife e 110 de outros municípios”, frisou ontem o secretário de Saúde do Recife, Jailson Correia, em anúncio para a imprensa sobre a nova fase de reestruturação da rede voltada à covid-19 na cidade. Depois da própria capital, o município de Caruaru, no Agreste, continua sendo o que mais encaminha seus moradores para os leitos de UTI do Recife. Até ontem, 21 pacientes de Caruaru lutavam pela sobrevivência em uma dessas vagas. Em seguida, vêm Jaboatão dos Guararapes (8), Igarassu (5), Paudalho, Cachoeirinha, Belo Jardim e Gravatá (4 pessoas de cada uma dessas cidades). Outras 39 cidades de regiões diversas do Estado, incluindo o Sertão, também têm moradores que recebem atualmente assistência de alta complexidade, para lutar contra os sintomas e as complicações do novo coronavírus, nas unidades do Recife. 

“Quando o paciente com covid-19 complica, e às vezes em casos muito graves, envolve muitos órgãos, como inflamação de pulmão. E podem existir os fenômenos de coagulação do sangue, inclusive com complicações renais. Na vaga de terapia intensiva, além da entubação que usa o respirador mecânico, há uma equipe técnica especializada. Nesse leito, é possível, inclusive, fazer hemodiálise”, explicou Jailson Correia. 

RESERVA

Segundo a Prefeitura do Recife, os equipamento médico-hospitalares retirados dos leitos desativados estão sendo levados para outras unidades que serão entregues pelo município ainda este ano, como o Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa, em Areias, Zona Oeste da cidade, a Unidade Pública de Atendimento Especializado (Upae) do Ibura, Zona Sul, e maternidades municipais. Outra parte dos materiais ficará guardada em galpões para ser usada caso a curva epidêmica volte a subir na capital pernambucana e a Secretaria de Saúde do Recife identifique a necessidade de abertura de mais leitos. 

Com a readequação da rede, somada a novas vagas criadas pelo governo de Pernambuco, o Estado atingiu 801 leitos de UTI destinados a pacientes com suspeita ou confirmação da covid-19. A ocupação média de terapia intensiva está em 70% em Pernambuco. “Isso revela a importância dos esforços de todos, e não só da abertura de leitos. Também (é consequência da) determinação e compreensão dos pernambucanos, que ficaram em casa quando puderam e quando foi preciso. Dessa maneira, podemos prosseguir com muita segurança no nosso plano de convivência, sempre com base nos indicadores epidemiológicos. O vírus ainda está entre nós e, para seguirmos em frente, precisamos do cuidado e da responsabilidade de todos”, salientou ontem o secretário Estadual de Saúde, André Longo, em coletiva de imprensa pela internet.

‘Para não andarmos para trás, precisamos que todos continuem adotando distanciamento social, cuidados de higiene e uso das máscaras. A nossa batalha contra a covid-19 não acabou”, frisou o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo

‘O anúncio das medidas de reorganização da rede de saúde do Recife fortalece os leitos de maior complexidade, que são os de UTI. São mais complexos, mais resolutivos”, disse o secretário de Saúde da capital, Jailson Correia