Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Diretor do Butantan defende Coronavac

9
Array
(
    [0] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 9
            [name] => Clipping
            [slug] => clipping
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 9
            [taxonomy] => category
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 77152
            [filter] => raw
            [cat_ID] => 9
            [category_count] => 77152
            [category_description] => 
            [cat_name] => Clipping
            [category_nicename] => clipping
            [category_parent] => 0
        )

)
					Array
(
    [0] => clipping
)
tem				

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco

Durante participação no evento da Amupe, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Tadeu Covas, informou que a vacina que chegará aos brasileiros, a Coronavac, “é segura e é uma das vacinas mais promissoras no combate à Covid-19”.

Questionado sobre a forma de armazenamento e os padrões brasileiros de fazê-lo, Tadeu informou que o país possui as condições adequadas para recebê-la. “A vacina está adequada às condições do Brasil, seja para transporte ou para congelamento. É uma vacina que vai para o mundo, pensada para atingir todos os municípios do Brasil”, confirmou.

Expectativa

Segundo dados do Butantan, o Brasil já conta com 1 milhão de doses produzidas, com capacidade de produção de 1 milhão de doses por dia. Dados do IBGE (2020) apontam o país com cerca de 211,8 milhões de habitantes. Segundo o professor, estarão disponíveis, até o início de fevereiro, cerca de 46 milhões de doses. Quanto ao público alvo para a primeira dose, “ainda será estudado”.

“Esperamos que essa vacina seja incorporada ao programa nacional de imunização, que é o maior programa público no mundo”, frisou.

Durante o encontro, o diretor afirmou que, embora os materiais vindos da China, a vacina é brasileira. “Essa vacina é brasileira, está sendo produzida pelo Butantan com a matéria prima que vem da China, da mesma forma que a vacina astrazeneca é feita com matéria prima que vem da China, até o momento em que nós incorporamos a nossa tecnologia”.