Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Israel cria remédios promissores

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco
Israel anunciou, ontem, que dois medicamentos experimentais podem ajudar pacientes hospitalizados com coronavírus a se recuperar mais rapidamente. Acadêmicos israelenses afirmaram que 29 dos 30 pacientes com casos moderados a graves de covid-19 tratados com EXO-CD24 tiveram uma recuperação completa em cinco dias. Mais testes em humanos são necessários para provar que a droga inalada – desenvolvida como um medicamento para combater o câncer de ovário – realmente funciona. O estudo não comparou a droga a um placebo, o que significa que os cientistas não podem afirmar com certeza se o medicamento está por trás da rápida recuperação dos pacientes. No entanto, dados mostram que, em média, um paciente com coronavírus que precisa de tratamento hospitalar passa até três semanas internado. Os cientistas administraram uma dose do medicamento em 30 pacientes com infecções graves ou moderadas por covid-19. Não ficou claro a idade dos pacientes, mas os dados mostram que os mais jovens têm muito menos probabilidade de se recuperarem mais rapidamente – 29 mostraram melhora significativa de três a cinco dias. Os sintomas do 30º paciente também melhoraram, mas depois do período de cinco dias, de acordo com relatos publicados pela imprensa israelense. O tamanho da amostra dos testes também é muito baixo para tirar qualquer conclusão digna de nota sobre a eficácia do medicamento e os dados não foram publicados em um jornal especializado. Agora, os pesquisadores israelenses estão planejando realizar estudos da droga em centenas de pacientes e comparar os resultados com um placebo. O outro medicamento, denominado, Allocetra, foi administrado em 21 pacientes em estado crítico. De acordo com os médicos, 19 pacientes se recuperaram em seis dias e tiveram alta do hospital em média após oito dias.