Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Vacina liberada para idosos

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta quarta-feira (10) que a vacina anticovid da AstraZeneca pode ser aplicada em pessoas com mais de 65 anos de idade e usada em países onde as variantes da covid-19 circulam, apesar do questionamento de sua eficácia em ambos os casos. “Levando em consideração todas as evidências disponíveis, a OMS recomenda o uso da vacina em pessoas com 65 anos de idade ou mais”, declarou o Grupo de Especialistas em Assessoramento Estratégico sobre Imunização (SAGE). A vacina, desenvolvida pelo laboratório britânico AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, enfrentou críticas nas últimas semanas, pois sua eficácia não foi considerada conclusiva para pessoas com mais de 65 anos e em países onde circulam variantes. A título de exemplo, a África do Sul, onde apareceu uma variante da covid-19, disse estar disposta a vender ou trocar um milhão de doses dessa vacina, privilegiando a da Johnson&Johnson. Mas o imunizante da AstraZeneca, que o Reino Unido administra desde dezembro e foi aprovado em outros países, representa uma esperança contra a epidemia para dezenas de nações desfavorecidas por meio da aliança Covax, promovida pela OMS. Dada a crescente preocupação com as variantes, muito mais contagiosas, a União Europeia (UE) informou nesta quarta-feira que quer aumentar sua produção de vacinas e reconheceu que está “muito otimista” com as entregas acordadas com os laboratórios. Logo depois, a AstraZeneca anunciou uma parceria com a alemã IDT Biologika para poder produzir mais vacinas para a Europa a partir do segundo trimestre. E o laboratório alemão BioNTech anunciou o início da produção de sua vacina desenvolvida com a americana Pfizer em uma nova fábrica em Marburg (Alemanha) para conseguir aumentar a entrega de doses.