Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

PCR busca 200 mil doses direto com laboratórios

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco

Pedido de um novo lote virá através de consórcio com outras prefeituras. Nesse lote, um dos públicos prioritários será o de trabalhadores da educação

Após firmar uma parceria com municípios brasileiros para a criação de um consórcio junto à Frente Nacional de Prefeitos (FNP), visando a aquisição de vacinas contra a Covid-19, o prefeito do Recife, João Campos (PSB), anunciou, ontem, que vai solicitar pelo menos 200 mil doses de vacinas em laboratório por meio do consórcio. A iniciativa, de acordo com a prefeitura municipal, deve acelerar a imunização dos grupos que já estão sendo atendidos, assim como deve incluir os trabalhadores da educação na primeira fase do Plano Recife Vacina.

“Ontem (anteontem) formalizamos a manifestação de interesse para o Recife participar do consórcio da Frente Nacional de Prefeitos para a aquisição de vacina. E hoje já definimos o quantitativo que o Recife vai pedir: pelos menos, 200 mil doses. Com isso, nós vamos conseguir aumentar a velocidade da vacinação dos idosos e conseguir fazer a vacinação dos trabalhadores da educação”, introduziu o gestor. “Só na rede própria do Recife, são 10 mil trabalhadores da educação que nós queremos vacinar da maneira mais rápida possível”, acrescentou.

O secretário de Educação do município, Fred Amâncio, por outro lado, explicou quais categorias profissionais enquadram os trabalhadores da educação que devem ser imunizados. “Além dos professores, temos os auxiliares de desenvolvimento infantil que trabalham na escola, os assistentes de educação especial, e ainda os administrativos das escolas. Além disso, tem os terceirizados, merendeiras, o pessoal da limpeza, vigilância e portaria. No caso da rede estadual, tem também os professores, mas também tem os assistentes administrativos, os analistas e os terceirizados”, esclareceu.

Na segunda-feira (1), a FNP realizou a primeira reunião sobre a criação do consórcio público para a compra de vacinas. Na ocasião, o gestor da Capital pernambucana assinou uma manifestação de interesse para que o município passe a integrar o grupo.

De acordo com a PCR, na próxima sexta-feira, a Frente enviará um texto-base para que todos os gestores possam preparar seus projetos de lei e enviá-los à Câmara de Vereadores. O projeto que formaliza o ingresso da gestão no consórcio precisa ser aprovado pelos parlamentares até o próximo dia 19 de março.

A ideia é que o grupo do consórcio reúna cerca de 100 prefeituras, entre capitais e cidades de médio porte.