Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Cirurgias eletivas são proibidas

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco

O alto número de leitos das redes pública e privada ocupados por pacientes com suspeita ou confirmação da covid-19 levou o governo de Pernambuco a anunciar a suspensão das cirurgias eletivas (não emergenciais) em todo o Estado. A medida vale, boletim, entre os dias 8 e 19 de março. A decisão foi publicada no Diário Oficial de ontem. De acordo com o novo decreto, caracterizam-se cirurgias eletivas, aquelas que pode ser adiadas e / ou reprogramadas sem prejuízo à saúde do paciente. Alguns serviços de saúde permanecem lites como atendimentos clínicos e / ou cirúrgicos, procedimentos e exames nos serviços de urgência e emergência consultas e procedimentos ambulatoriais. Em entrevista à Rádio Jornal, na semana passada, o médico hepatologista e cirurgião Cláudio Lacerda preocupação com o assunto. Segundo ele, algumas cirurgias não podem ser adiadas, como a retirada de miomas ou cirurgias em pacientes que se tratam de algum câncer. “Operar paciente com câncer no início é grande a chance de levar à cura. Postergar uma dessa (cirurgia) pode definir o insucesso no tratamento”, pontuou. O governo estadual também decidiu suspender o gozo de férias dos profissionais de saúde (efetivos, com vínculo CLT, cedidos, terceirizados, cargos comissionados e contratados por tempo determinado) em exercício na rede de saúde da Secretaria Estadual de Saúde, previstas para o início deste mês de março e meses consecutivos, por tempo indeterminado. A exceção é para os profissionais que necessitarem gozar as férias logo após o término da licença maternidade. O governo ainda explicou que a suspensão não abrange o gozo da licença prêmio para fins de aposentadoria, desde que seja comprovado o cumprimento dos requisitos legais para a concessão. Profissionais de saúde também tiveram as férias adiadas