Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Butantan cria vacina contra Covid-19 e pedirá à Anvisa para iniciar testes

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco

O Instituto Butantan desenvolveu uma nova fórmula de vacina contra a Covid-19 e vai pedir à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o início da fase de testes nesta sexta-feira (26).

O anúncio oficial será feito em coletiva convocada pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), às 8h. As informações são do R7.

A entidade ligada ao governo de São Paulo fará parte de um consórcio internacional e espera ter capacidade para produzir a maior parte dos imunizantes utilizados na nova vacina, apelidada de Butanvac. Atualmente, o Brasil depende de insumos internacionais para poder desenvolver as vacinas da CoronaVac e de Oxford/AstraZeneca.

A Butanvac passou nos testes pré-clínicos, onde os efeitos são observados em animais. Os ensaios 1 e 2, voltados para segurança e a capacidade de promover resposta imune, envolveriam 1.800 pessoas e são os que terão o pedido de testes feito à Anvisa nesta sexta-feira.

A fase de eficácia, onde pode ser pedido o uso emergencial e o registro final, são a terceira parte deste processo.

A intenção é ter a vacina pronta no prazo de dois meses, com a chamada produção de risco iniciada em maio, mesmo sem o aval da Anvisa. Todos os testes do novo imunizante serão feitos em São Paulo, com cidadãos de várias idades. Segundo o diretor do Butantan, Dimas Covas, é possível ter 40 milhões de doses prontas até o fim do ano.

O Butantan foi selecionado para a produção do imunizante porque a tecnologia necessária é a mesma da vacina da gripe, já desenvolvida pelo laboratório nacional. 

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, o Butantan faz parte de um consórcio internacional para a produção da Butanvac com o Vietnã e a Tailândia – neste último, os testes da etapa 1 já estão em andamento. A expectativa do Butantan é ter 85% da capacidade total de fornecimento da vacina, se ela funcionar.

A Folha de S.Paulo também informou que a tecnologia da Butanvac usa o vírus inativado de uma gripe aviária, a doença de Newcastle, como vetor para transportar para o corpo do paciente a proteína S (de spike, espícula) integral do Sars-CoV-2.

Em parceria com o laboratório chinês Sinovac, o Instituto Butantan já ofereceu ao PNI (Programa Nacional de Imunizações) 27,8 milhões de doses desde o início das entregas, em 17 de janeiro. Até o fim de abril, o total de vacinas garantidas pelo Butantan ao país somará 46 milhões.