Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Risco de atraso em insumos da CoronaVac

9
Array
(
    [0] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 9
            [name] => Clipping
            [slug] => clipping
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 9
            [taxonomy] => category
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 77136
            [filter] => raw
            [cat_ID] => 9
            [category_count] => 77136
            [category_description] => 
            [cat_name] => Clipping
            [category_nicename] => clipping
            [category_parent] => 0
        )

)
					Array
(
    [0] => clipping
)
tem				

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco

Pesquisadores do Instituto Butantan acenderam um sinal de alerta para a possibilidade da falta de insumos da produção da CoronaVac, responsável pela imunização de nove em cada dez brasileiros. Segundo a Coluna apurou, a escassez pode impossibilitar a fabricação de 5 milhões de doses, metade do previsto para este mês. O lote era esperado para sexta-feira (9), mas a entrega foi adiada. Se o IFA da vacina não chegar até a próxima semana, há uma perspectiva muito realista de os municípios ficarem mais de 15 dias sem receber doses da CoronaVac.

Confiem em mim

Apesar do atraso, a embaixada chinesa disse ao governo de São Paulo e ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que o IFA será enviado e o cronograma, mantido como está. Se a promessa for mesmo cumprida, o Butantan encerrará o primeiro contrato com o ministério, de 46 milhões de doses.

Além de abril, o Butantan tem enorme preocupação com maio também. A China adotou uma política mais agressiva de vacinação de sua população e a exportação deixou de ser prioridade dos chineses.

A Sinovac certificou uma segunda fábrica com a agência chinesa. Como demora para a planta atingir o potencial de produção, a expectativa do Butantan é de que em junho tudo esteja normalizado e, consequentemente, as entregas para o Brasil.