Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Coronavírus gera 99,27% dos quadros respiratórios graves

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco

Número de casos de Srag provocados pela Covid-19 é 135 vezes maior que outras infecções virais somadas

Pouco mais de um ano após o início da pandemia em Pernambuco, o número de casos de síndrome respiratória aguda grave provocados pelo novo coronavírus é 135 vezes maior que todas as outras infecções virais somadas, representando 99,27% do total. O estado contabiliza 37.028 confirmações de Srag geradas pela Covid-19. Para se ter uma ideia, o segundo colocado na lista é o vírus da Influenza A, com 139 confirmações de casos graves, ou 0,37%.

Ontem, as UTIs de Covid-19 reguladas pelo estado voltaram a bater a marca de 97% de ocupação, enquanto os leitos de terapia intensiva dos hospitais privados têm 90% de demanda. Ao todo, pelo menos 1.988 pernambucanos estavam internados em UTIs, lutando contra o novo coronavírus, ontem, quando a Secretaria Estadual de Saúde (PE) registrou 2.965 casos, segundo maior número desde o início da pandemia. Entre os diagnósticos confirmados, 184 (6%) são graves e 2.781 (94%) leves. Agora o estado totaliza 361.470 confirmações.

Também foram confirmados laboratorialmente 62 novos óbitos (39 masculinos e 23 femininos), ocorridos entre os dias 04/07/2020 e 06/04/2021, mas registrados oficialmente ontem. Com isso, Pernambuco totaliza 12.541 mortes pela doença. Os pacientes tinham idades entre 39 e 98 anos, incluindo 20 com menos de 60 anos e três sem nenhuma comorbidade.

Além da tragédia representada pelo alto número de óbitos, a forte circulação do vírus – facilitada pela falta de cuidados de parte da população no que diz respeito ao uso de máscaras e o distanciamento social – poderá também gerar colapso na rede de atendimento, em relação à infraestrutura e recursos humanos. O assunto foi tratado na semana passada, em entrevista coletiva, pelo infectologista-chefe do Hospital Universtitário Oswaldo Cruz (Huoc), Demetrius Montenegro. “Aumentando o número de casos, pode sim ocorrer um colapso por falta de profissionais, sendo uma grande preocupação nossa. Para os leitos de UTI, por exemplo, que é um trabalho mais especializado, a atividade não requer apenas médicos, mas também fisioterapeutas e técnicos de enfermagem”, destacou.

IMUNES
Pernambuco chegou ontem à marca de 1.254.562 doses da vacina contra a Covid-19, das quais 977.207 foram primeiras doses. Em relação à segunda dose, já foram beneficiadas 277.355 pessoas.