Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Envase da Coronavac parado

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco

O envase de doses da vacina contra covid-19 CoronaVac foi temporariamente suspenso pelo Instituto Butantan após atraso na chegada de matéria-prima vinda da China, produzida pela farmacêutica Sinovac. No entanto, segundo o órgão, o calendário de entrega do imunizante ao Ministério da Saúde não deverá ser afetado. À GloboNews, o diretor do instituto, Dimas Covas, negou, ontem, qualquer anormalidade no trâmite, e disse que o lote de matéria-prima que estava previsto para hoje deve chegar ao País na próxima semana por causa de um atraso no despacho. “A matéria-prima está pronta para o embarque na China, houve um problema burocrático. Não há anormalidade. Não há retenção de vacina da China. Não há nenhum ruído de comunicação entre o Brasil e a China nem entre o Butantan e a Sinovac”, explicou. Segundo Covas, o envase foi suspenso há 10 dias, e o processo completo até a entrega das doses ao Ministério da Saúde dura aproximadamente 20 dias. Durante a entrevista, o diretor do Butantan ainda cobrou celeridade da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) na entrega das doses da vacina Oxford/ AstraZeneca ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). “O calendário de vacinação do Ministério da Saúde depende também do aporte dos milhões de doses que a Fiocruz prometeu entregar. Por sinal, é uma produção que deveria ter começado a ser entregue em fevereiro. O Butantan está cumprindo seu compromisso, mas, obviamente as vacinas adicionais (da Fiocruz) precisam chegar, se não o calendário não será cumprido”, disse. Em nota, o Butantan informou que “todas as doses provenientes do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) recebido da China já foram envasadas. Neste momento, cerca de 2,5 milhões de vacinas encontram-se em processo de inspeção de controle de qualidade – parte integrante do processo produtivo – para serem entregues na semana que vem ao Programa Nacional de Imunizações”. O Instituto destacou que desde janeiro já entregou 38,2 milhões de doses, que compõem a maior parte das vacinas aplicadas nas cidades brasileiras. O total de 46 milhões de vacinas, referentes ao primeiro contrato com o Ministério da Saúde, será entregue até o dia 30 de abril, na previsão do Butantan. Outras 100 milhões são esperadas ao longo do segundo semestre. Não é a primeira vez que a linha de envase é paralisada à espera da chegada de novos lotes de IFA da China. Entre janeiro e fevereiro, a fábrica também ficou dias ociosa. A importação do IFA é um assunto que tem mobilizado o governo de São Paulo e o governo federal por meio do Itamaraty. O governador João Doria (PSDB) afirmou que conversou com o embaixador da China Yang Wanming sobre o envio de insumos para a vacina contra a covid-19, a Coronavac, e foi informado de que o embarque está previsto. Durante a manhã, o Instituto Butantan fez o repasse de mais um milhão de doses para o Ministério da Saúde. A quantidade de pessoas vacinadas contra a covid-19 com ao menos a primeira dose no Brasil chegou a 21.445.683 ontem. O número representa 10,13% do total da população brasileira. A porcentagem foi alcançada 79 dias após o início da campanha de vacinação nos Estados, no dia 18 de janeiro.