Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Meta de imunizar 1,1 milhão

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco

A primeira etapa da campanha de vacinação contra a influenza (gripe), iniciada ontem em todo o Brasil, vai até o dia 10 de maio, com a meta de imunizar, em Pernambuco, 1.168.257 pessoas de cinco grupos prioritários: crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, mulheres até 45 dias após o parto, povos indígenas e trabalhadores de saúde. Pela ordem de prioridade, a segunda etapa inclui idosos a partir de 60 anos e professores, que devem ir aos pontos de saúde ou outros pontos de imunização entre 11 de maio e 8 de junho. Esse público totaliza 1.356.512 pessoas.

Já no terceiro e último momento, que ocorre de 9 de junho a 9 de julho, há mais grupos prioritários, mas eles somam um número menor de pessoas, em comparação às duas fases anteriores. Esse público, formado por 991.531 indivíduos, inclui quem tem comorbidades (doenças preexistentes, como diabetes), pessoas com deficiência permanente, caminhoneiros, trabalhadores do transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso, trabalhadores portuários, forças de segurança e salvamento, forças armadas e funcionários de sistema de privação de liberdade, além de população privada de liberdade, adolescentes e jovens em medidas socioeducativas.

É importante destacar que, mesmo com o início de cada nova etapa, as pessoas incluídas nos grupos anteriores podem continuar recebendo a vacina da mesma forma. Em Pernambuco, ao longo das três fases, a mobilização contra gripe pretende imunizar mais de 3,5 milhões de pessoas até o mês de junho. “A campanha contra a influenza ocorre em paralelo à vacinação contra a covid-19. Importante lembrar que, caso alguém seja prioritário em ambas as iniciativas, é preciso um intervalo mínimo de duas semanas entre as doses”, informa a superintendente de Imunização da Secretaria de Saúde de Pernambuco (SES), Ana Catarina de Melo. Desta forma, a vacina contra o novo coronavírus deve ser priorizada e, por isso, é indicado que as pessoas dos grupos elegíveis concluam o esquema vacinal (da covid-19) antes de receberem a vacina a dose contra influenza.

Para dar início à ação, o Ministério da Saúde encaminhou para o Estado 338.400 doses do imunizante contra a influenza, e o insumo já foi distribuído a todas as 12 Gerências Regionais de Saúde, que fizeram a entrega aos municípios. Na capital pernambucana, a estratégia da prefeitura é descentralizar os locais de vacinação, a fim de evitar aglomerações. Por isso, a imunização contra gripe acontece em 153 unidades da Secretaria Municipal de Saúde, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Além disso, há também três parques da cidade onde está ocorrendo a vacinação: Sítio Trindade, em Casa Amarela; Parque 13 de maio, na Boa Vista; e Parque Dona Lindu, em Boa Viagem. Durante a semana, a imunização nesses locais acontece das 8h às 17h. Já aos sábados e domingos, será das 7h às 19h.

“A gente pede que as pessoas que fazem parte do público-alvo compareçam até alguma unidade de saúde, ou até um dos três parques, para receber a imunização. É importante que a população saiba que a vacina contra gripe é tão importante quanto à contra covid-19, porque a influenza também é uma doença que pode se agravar, levando até ao óbito”, alertou a secretária de Saúde do Recife, Luciana Albuquerque. A dose contra a gripe não tem eficácia contra o novo coronavírus, mas a imunização vai ajudar os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico para covid-19, já que alguns dos sintomas são parecidos com os da influenza. O objetivo é reduzir as complicações, internações e a mortalidade decorrentes das infecções provocadas pelos vírus influenza H1N1, H3N2 e B.

COVID-19

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) registrou ontem 738 casos da covid-19. Entre eles, 108 (15%) são quadros de síndrome respiratória aguda grave (srag) e 630 (85%) são leves. Agora, Pernambuco totaliza 370.225 casos confirmados da doença, sendo 37.746 graves e 332.479 leves, distribuídos por todos os 184 municípios pernambucanos, além do arquipélago de Fernando de Noronha.

Também ontem foram confirmados laboratorialmente 34 novos óbitos, ocorridos entre 12 de julho do ano passado e o último dia 11 de abril. Entre esses novos registros, está a morte de um recém-nascido do sexo masculino com apenas 1 dia de vida, de Lagoa dos Gatos, no Agreste de Pernambuco, que foi a óbito no dia 12 de julho do ano passado, segundo a SES. No entanto, a covid-19 apareceu como causa da morte apenas no boletim epidemiológico de ontem, o que reforça o quanto o Estado, junto aos municípios, tem demorado a concluir a investigação de parte dos óbitos com quadros associados ao novo coronavírus. Agora, Pernambuco acumula 12.837 mortes pela doença.