Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Colapso indiano alerta o mundo

As matérias veiculadas pelo jornal citado como “fonte” não representam a opinião do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). O clipping tem por objetivo atualizar os leitores das principais notícias referentes à saúde veiculadas no país e, principalmente, no estado de Pernambuco

A Organização Mundial da Saúde (OMS) advertiu, ontem, a Europa sobre a flexibilização das restrições ante a covid-19, ao afirmar que “a situação na Índia pode acontecer em qualquer lugar”. A OMS destacou que a atual crise de saúde na Índia pode ser provocada pela chamada “variante indiana do coronavírus”, mas também a alguns comportamentos como a violação das restrições sanitárias. “(A pandemia) continua sendo um desafio enorme para os sistemas de saúde de qualquer país em que as medidas de proteção pessoal são relaxadas, com grandes reuniões, onde circulam variantes mais contagiosas e onde a cobertura da vacinação ainda é baixa”, afirmou o diretor da OMS Europa, Hans Kluge. O diretor recordou aos países europeus que “as medidas individuais e coletivas de saúde pública e as medidas sociais continuam sendo fatores determinantes” para frear a pandemia, no momento em que o número de novos casos na Europa cai “significativamente pela primeira vez em dois meses”. A variante indiana, B 1.617, foi detectada em 17 países, incluindo vários europeus. Foi classificada como “variante de interesse” e não como “variante preocupante” – denominação que indicaria que a mutação é mais perigosa. Na região Europa da OMS, que compreende vários países da Ásia Central, 7% da população está totalmente vacinada. De acordo com os dados da organização, isto é mais que o número de pessoas que ficaram doentes de covid-19 (5,5% dos europeus). O gigante asiático, de 1,3 bilhão de habitantes, bate recordes de infecções, com quase 380.000 novos casos e 3.645 mortos nas últimas 24 horas. O sistema de saúde indiano está colapsado pela multiplicação de doentes. Faltam leitos nos hospitais, reservas de oxigênio e medicamentos essenciais. Mas a ajuda internacional prometida começa a aparecer. Esperava-se a chegada do primeiro avião militar americano com material sanitário, parte de um pacote total de mais de 100 milhões de dólares. EUROPA A França anunciou o primeiro caso confirmado da variante indiana na região de Nova-Aquitânia em um paciente que havia retornado daquele país. A maioria dos países da Europa, que na última quarta-feira superou os 50 milhões de casos e o milhão de falecidos desde o início da pandemia, está afrouxando as restrições diante de uma queda dos contágios nas últimas duas semanas. A França anunciou uma abertura escalonada em maio e junho das áreas externas de restaurantes e cafés, lojas e espaços culturais, incluindo museus e cinemas. Enquanto isso, o toque de recolher que vigora atualmente a partir das 19h, irá sendo gradativamente adiado até ser suprimido em 30 de junho. A Alemanha, que também informou sobre contágios da variante indiana, avança a passos firmes na vacinação, com mais de um milhão de pessoas inoculadas em um dia, cifra que até agora apenas China, Índia e Estados Unidos alcançaram. A Holanda já reabriu seus terraços e suspendeu o toque de recolher, cuja introdução em janeiro provocou os piores distúrbios no país em décadas.