Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Butantan teme novo atraso na vacinação

Demora na chegada dos insumos da China impossibilitou que o instituto concluísse a entrega das 46 milhões de doses até abril

Após informar, ontem, que ainda não há definição da China para a liberação dos insumos necessários para produzir a CoronaVac, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, admitiu preocupação com o cronograma de vacinação do país, que segundo ele, poderá sofrer impacto a partir de junho.

“Para maio, temos a entrega desta semana, 2 milhões entregues hoje, mais 1 milhão na quarta (12) e 1,1 milhão na sexta (14), e a partir daí não teremos mais vacinas porque não recebemos o IFA (ingrediente farmacêutico ativo). [A situação] preocupa muito sem dúvida nenhuma. O cronograma de vacinação, a partir de junho, poderá sofrer algum impacto”, afirmou Covas em coletiva de imprensa, realizada após a entrega dos 2 milhões de doses ao governo federal.

O diretor do Butantan explicou que há a expectativa de liberação de 4 mil litros do IFA da China, mas que a data de embarque deste novo lote de insumos ainda não está definida. “Esperamos que, até quarta-feira (12), nós possamos ter uma notícia positiva”, disse.

O atraso na chegada dos insumos do país asiático impossibilitou que o Butantan concluísse a entrega das 46 milhões de doses da CoronaVac, anteriormente prevista para ser finalizada até abril. Essas unidades fazem parte do primeiro contrato firmado entre o instituto e o governo federal.

A conclusão da primeira parte do contrato será feita nesta quarta-feira (12), quando o Butantan entrega mais 1 milhão de unidades e somará 46,1 milhões de vacinas enviadas ao Programa Nacional de Imunizações (PNI).

SEGUNDO CONTRATO

Um segundo contrato para a compra de mais 54 milhões de doses da CoronaVac também foi assinado pelo Ministério da Saúde. As unidades estavam previstas para serem entregues até setembro pelo Butantan e o instituto chegou a anunciar a antecipação da entrega para agosto.

Sem previsão de chegada do IFA, contudo, Dimas Covas informou que a situação ficou indefinida. “Nós temos a previsão de entrega dos 100 milhões até setembro, tínhamos feito um adiantamento dessa previsão para agosto, mas, neste momento, tudo fica em interrogação”, ponderou.