Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Capital vai distribuir vacinas Pfizer para gestantes de outros municípios

O Recife vai utilizar parte das doses do imunizante contra a Covid-19 do tipo Pfizer, desenvolvida pela BioNTech, para a vacinação das grávidas de outros municípios pernambucanas. O anúncio foi pelo prefeito do Recife, João Campos (PSB), na tarde de ontem. Um total de 46,8 mil doses foi enviado para o estado, ontem, onde seriam distribuídas inicialmente apenas entre os municípios de Olinda, Jaboatão dos Guararapes e Recife. O novo anúncio da prefeitura ocorre depois da orientação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que determinou a suspensão imediata da aplicação da vacina AstraZeneca em gestantes.

“Vamos propor a disponibilização de parte das doses de Pfizer recebidas pela Capital para outras grávidas pernambucanas. A proposta é que as doses sejam futuramente repostas por outros municípios. A medida não vai interferir na vacinação das gestantes no Recife, que continua avançando, exclusivamente com a Pfizer, nos centros de imunização da cidade”, escreveu o prefeito nas mídias sociais.

O gestor lembrou que a Capital pernambucana adotou a Pfizer, antes da decisão da Anvisa que recomendou a suspensão do uso da AstraZeneca para grávidas. “Como fez desde o início, o Recife segue vacinando gestantes e puérperas exclusivamente com a Pfizer, vacina que passou por estudos específicos para este público”.

Os imunizantes da Pfizer/BioNTech estão sendo armazenados no Programa Estadual de Imunização em freezers específicos, que os mantêm na temperatura correta, entre -25°C e -15°C, podendo permanecer assim por até duas semanas.

Ao ser entregue às cidades, a vacina deve ser guardada em temperatura entre 2° C e 8° C por, no máximo, cinco dias. Após aberto o frasco, o prazo para utilização de todo o conteúdo, com seis doses, é de seis horas. Por orientação do Ministério da Saúde, a segunda dose deve ser feita três meses após a primeira.

A orientação é que o imunizante seja aplicado nas pessoas com comorbidades, incluindo grávidas e puérperas.