Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Cremepe quer mais restrições

Em nota divulgada ontem, o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) disse demonstrar “extrema preocupação com o aumento exponencial de casos e mortes pela covid-19” no Estado nas últimas semanas, sobretudo no Agreste. A entidade afirmou que chama atenção para o cenário porque as emergências daquela região estão superlotadas, com pacientes aguardando um leito de UTI ou de enfermaria, e no Recife, pacientes com coronavírus e outras enfermidades estariam “esgotando os recursos e retardando seus tratamentos”. “Há, reconhecidamente, esforços na abertura de novos leitos, mas a capacidade de se ter escalas de plantão completas é cada vez menor para assistir adequadamente os doentes. Os medicamentos vitais para sedação e ventilação mecânica estão escassos e já foi detectada a falta de oxigênio em algumas cidades do interior do Estado, que tiveram pacientes transferidos de urgência para outros municípios”, pontuou trecho do comunicado. No texto, o Cremepe afirma que as medidas sanitárias adotadas pelo governo estadual não foram suficientes para reduzir a taxa de transmissão da doença. Por fim, a entidade pede ao governador Paulo Câmara e aos prefeitos do Estado que “medidas restritivas mais rigorosas sejam tomadas em defesa da população. Que todo o esforço para a proteção social, econômica e alimentar seja feito de forma a proteger a população mais carente e vulnerável”. Por causa da aceleração de casos da covid-19, o Agreste está vivendo uma fase de restrições das atividades mais duras. Já a Região Metropolitana do Recife e a Zona da Mata estão com restrições mais severas apenas nos fins de semana. O decreto estadual atual vale até o dia 06 de junho. Mas poderá ser prorrogado, a depender dos números. Ontem, a praia de Boa Viagem, Zona Sul do Recife amanheceu vazia. Seja pelo primeiro final de semana de novas restrições na capital pernambucana ou pelo clima chuvoso, o que se viu foi um cenário deserto na faixa de areia, diferente do último domingo (23), quando houve registro de aglomerações.