Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Fungo preto está em investigação

A Secretaria Estadual de Saúde foi notificada, neste domingo (6), pelo Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), no Recife, a respeito de um caso de infecção por mucormicose, popularmente chamada de “fungo preto”. o caso foi em uma paciente de 59 anos, moradora de Casinhas, no Agreste do Estado, que teve diagnóstico de covid-19 em março, além de ter desenvolvido, em seguida, pneumonia bacteriana. A pasta comunicou o Ministério da Saúde e investiga a possível associação da doença com o novo coronavírus.

Segundo a secretaria, a paciente já está curada da covid-19, mas, no tratamento, fez uso de antibiótico e corticoides. Ela é diabética, hipertensa, asmática e obesa, e está internada em enfermaria no Huoc, desde a última sexta (4), consciente e com quadro de saúde estável. Antes do internamento, ela passou por outros serviços, tendo, inclusive, realizado procedimento cirúrgico na região afetada (boca), mas ainda pode haver sinais de infecção no nariz e face e seios da face. A mucormicose foi confirmada por meio de exame histopatológico.

“No caso da paciente, ela possui fatores de risco clássicos para infecção por esse fungo e a associação com a covid-19 ainda está sendo estudada, visto que a infecção veio a acontecer 30 dias após os sintomas da covid e quando já estava curada”, disse o infectologista do Huoc Tiago Ferraz.

Já o infectologista Demetrius Montenegro, chefe do setor de doenças infectocontagiosas do Oswaldo Cruz, destacou que a doença ocorre em pessoas com baixa imunidade e que a diabetes é uma comorbidade de risco tanto para covid-19 quanto para a infecção pelo fungo. No Brasil, neste ano, já foram notificados 29 casos da mucormicose, e quatro são investigados pela associação com a covid-19.