Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Saúde recomenda vacinação de gestante

O Ministério da Saúde emitiu nota técnica recomendando a vacinação contra covid-19 para todas as gestantes e puérperas. No entanto, apesar do alerta de entidades médicas, a orientação é que ainda seja exigida prescrição.

Com data de 6 de julho, da Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 enviada a uma capital, o texto diz que “neste momento o perfil de risco-benefício da vacinação neste grupo seja altamente favorável à vacinação”. Assim, fica recomendado “vacinar gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto), a partir de 18 anos, como grupo prioritário independentemente da presença de fatores de risco adicional”.

A imunização do grupo “deverá ser realizada com as vacinas que não contenham vetor viral”, ou seja, CoronaVac e Pfizer, a qualquer momento da gestação.

A medida havia sido recomendada por entidades médicas em reuniões com o PNI (Programa Nacional de Imunizações). No entanto, a nota do Ministério da Saúde faz uma exigência que não é respaldada pelos especialistas.

“A vacinação das gestantes e puérperas deverá ser condicionada a uma avaliação individualizada, compartilhada entre a gestante e seu médico, do perfil de risco-benefício, considerando as evidências e incertezas disponíveis até o momento. Para a vacinação das gestantes e puérperas deverá ser exigido prescrição médica.”

Em maio, após um evento adverso grave, o Ministério da Saúde suspendeu a vacinação com a AstraZeneca e recomendou que apenas gestantes com comorbidades fossem imunizadas. No documento divulgado terça, a pasta diz que volta da recomendação de imunização para todas as grávidas e puérperas ocorreu após na discussão na câmara técnica que assessora do PNI (Programa Nacional de Imunizações).

Para entidades, prescrição é dispensável. O infectologista Alexandre Naime Barbosa, membro do Comitê de Monitoramento Extraordinário da Covid-19 da Associação Médica Brasileira (AMB), diz que essa observação dificulta demais o acesso das gestantes à vacina e não havia sido recomendada pela entidade, nem por instituições como a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) ou a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).

“Não há dúvidas que a vacinação para gestante deve ser feita independentemente de indicação médica”, afirma Naime Barbosa. “As gestantes têm alto risco para covid grave. Todas devem se vacinar”.

A AMB, a SBP, a SBIm e a Febrasgo dizem que a doença “em gestantes e puérperas está associada a risco elevado de morbidade e mortalidade materna, além do maior risco de prematuridade e óbito fetal”. Na nota, o grupo de entidades reforça que “o uso de vacinas Covid-19 em gestantes com e sem comorbidades ou fatores de risco deve ocorrer independente da indicação médica, sendo apenas necessário, se assim for o desejo da gestante ou puérpera, da apresentação do cartão de Pré Natal ou registro do nascimento da criança”.

Desde o início de 2021 até a primeira semana de junho, foram notificados 7.303 casos de de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em gestantes e puérperas no Brasil provocados pela covid-19. Destas, 59% (4.288) não tinham nenhuma comorbidade ou fator de risco. No mesmo período, das 991 mortes por covid-19 entre elas, 444 (45%) ocorreram em mulheres sem comorbidades.

De acordo com nota das entidades, “foi considerado que o risco de agravamento e óbitos em gestantes e puérperas após a infecção por Sars-CoV-2 mostrou uma elevação significativa nas semanas 17 a 23 de 2021, sendo então recomendado a retomada da vacinação contra Covid-19 em gestantes sem comorbidades e/ou fatores de risco com as vacinas inativadas (Coronavac) e de mRNA (Pfizer)”.

A CoronaVac, de vírus inativado, é produzida com tecnologia semelhante às atualmente ofertadas para gestantes no calendário no PNI. Já a vacina da Pfizer/BioNTech foi recomendada para gestantes de risco nos EUA e os dados de monitoramento publicados até o momento demonstram segurança.

As gestantes que já tomaram a primeira dose da AstraZeneca podem aguardar o término do período da gestação e puerpério (até 45 dias pós-parto) para a administração da segunda dose da vacina ou podem tomar a segunda dose “preferencialmente com a vacina da Pfizer e nos locais aonde não estiver disponível, com a Coronavac”.