Pesquisar
Agendar Atendimento

Serviços

ver todos

Novas restrições na Espanha

Quando parecia que a Espanha ganhava impulso rumo à recuperação, graças ao bom ritmo da campanha de vacinação, surge um novo revés: regiões como a Catalunha pediram autorização para um novo toque de recolher, a fim de conter a quinta onda da pandemia.

“A situação é muito delicada”, reconheceu o presidente regional catalão, Pere Aragonès, ao anunciar hoje que seu governo pediu autorização judicial para que Barcelona e outras 157 localidades reinstaurem o confinamento entre 1h e 6h a partir do fim de semana, por sete dias, seguindo os passos da vizinha Comunidade Valenciana, que já obteve permissão.

Outras regiões, como a Cantabria, aguardam uma decisão, enquanto os tribunais das Canárias negaram o pedido do Executivo do arquipélago.

A Catalunha aceleraria, assim, a reversão iniciada na semana passada, quando decretou a proibição de atividades noturnas em espaços fechados por 15 dias, alarmada pela explosão de infecções que se seguiram à tradicional festa de San Juan e à reabertura das boates no fim de junho.

Com uma incidência acumulada de 1.068,04 casos a cada 100.000 habitantes em 14 dias, a Catalunha lidera as infecções da quinta onda, quando a média nacional para todas as idades é de 469,5 casos. A variante Delta contribui para o novo surto, somando entre 15% e 20% dos casos em nível nacional, e deve continuar se propagando, indicou a ministra da Saúde, Carolina Darias.

Nas últimas duas semanas, a região, de 7,7 milhões de habitantes, diagnosticou mais de 83 mil casos positivos. Municípios como Barcelona pedem ajuda há dias para controlar o acesso a praias e parques. “O que nos surpreendeu um pouco foi a velocidade do contágio”, disse o médico Álvaro Arcocha, vice-diretor do Hospital Bellvitge.

Impulsionada pela variante Delta e com grande parte da população vulnerável vacinada, essa nova onda é diferente. Os hospitais recebem pacientes mais jovens, muitos ainda não vacinados ou com apenas uma dose.

Argentina supera 100 mil mortos

A Argentina registrou, ontem, 614 novos mortos pela covid-19, superando 100 mil desde o começo da pandemia. O número de casos da doença ultrapassa 4,7 milhões, segundo o Ministério da Saúde do país.

O total de óbitos chegou a 100.250 pessoas, apesar de o contágio registrar uma desaceleração. Segundo o governo, há 5.092 pessoas internadas com o novo coronavírus em UTIs do país, com uma porcentagem de ocupação de leitos para adultos de 62,2%.

Um total de 20.605.189 pessoas receberam a primeira dose da vacina, entre elas 5.113.342 que concluíram o esquema de imunização, segundo o Monitor Público de Vacinação.

CUBA

A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) alertou sobre o aumento dos casos de covid em Cuba, onde disse que a variante Delta já está presente, e recomendou evitar aglomerações na ilha, abalada hoje por manifestações anti-governo.

“Cuba registrou o maior número de casos semanais desde o início da pandemia”, disse Carissa Etienne, diretora da Opas, observando um aumento nas infecções na região do Caribe.

O serviço de Internet móvel começou a se restabelecer, ontem, em Cuba, depois de três dias de interrupção após as históricas manifestações de domingo, mas era impossível acessar as redes sociais e os aplicativos de mensagens com dados móveis.